Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Casa própria

SERVIDOR PÚBLICO ATRAI INTERESSE DAS CONSTRUTORAS E DOS BANCOS

Os servidores se tornaram alvo de bancos e de construtoras para o financiamento da casa própria. Isso porque são considerados bons pagadores, já que o pagamento de prestações é descontado no contracheque e o trabalhador tem estabilidade no emprego, diminuindo o risco de inadimplência. Essa tendência tem ocorrido, principalmente, em imóveis que se encaixam no programa do governo ‘Minha Casa, Minha Vida’.

A MRV e a Prefeitura do Rio, por exemplo, acabaram de fechar parceria que vai oferecer descontos de até R$ 5 mil aos servidores que compram imóvel da construtora. Os bancos também têm firmado convênios para atender as três esferas. A Caixa Econômica oferece possibilidades para atender órgãos públicos.

Segundo o secretário municipal de Habitação, Jorge Bittar, outras construtoras podem procurar o órgão para oferecer seus empreendimentos desde que tenham condições especiais para os servidores. “Abrimos a possibilidade inclusive de desconto em folha. Isso representa segurança muito grande para o agente financeiro e também reduz o custo final do imóvel, já que não há custo de publicidade”, explica.

A Tenda oferece descontos especiais para o funcionalismo. De acordo com o gerente regional André Macintyre, o servidor chegando às lojas e se identificando sabe qual o percentual de redução. “Esse público é um cliente melhor avaliado e ainda conta com o financiamento diferenciado da Caixa”, lembra Macintyre. Ele adianta que a construtora lançará empreendimento em Engenho da Rainha, com unidades até R$ 130 mil.

O diretor da Estrutura Consultoria de Financiamento, Fábio Mello, ressalta que os servidores têm empréstimo habitacional de até 100% do valor do bem. Há ainda a carência de seis meses para pagamento da prestação cheia. Nesse período, o funcionalismo paga apenas os juros. “O dinheiro que sobra pode ser utilizado para mobiliar a casa ou em outra despesa”, conclui Mello. (informações do O Dia Online)

Compartilhe