Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Comissão da reforma da Previdência discute parecer do relator; acompanhe

Estadão Conteúdo

Em busca de apoio para aprovar seu parecer sobre a reforma da Previdência, o relator da proposta na Câmara, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), realizou uma última rodada de negociações com categorias para discutir mudanças e ajustes em seu relatório. Funcionários públicos pressionam o relator pela exclusão da exigência de idade mínima de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres se aposentarem com direito ao benefício integral e com direito à paridade, sem uma regra de transição.
A sessão que votará o parecer de Maia sobre a reforma teve início na manhã desta quarta-feira, 3, conforme previsto. Para seguir ao plenário da Câmara, a votação depende do fim da fase de discussões na comissão, que foi suspensa no fim da tarde de terça-feira.
Os integrantes da comissão discutem a matéria neste momento. Acompanhe na transmissão do vídeo abaixo:
O principal impasse a ser resolvido é em relação aos servidores públicos, uma das categorias que tem maior poder de influência sobre deputados da base aliada e da oposição. Um encontro entre representantes dos servidores e a liderança do governo na Casa, que discutir novas mudanças, estava previsto para acontecer horas antes de o relatório ser votado na comissão especial.
Privilégios. Nesta terça-feira, 2, policiais legislativos conseguiram ser incluídos pelo relator no rol das aposentadorias especiais. Maia deu à categoria, que tem salário inicial de R$ 17 mil, a mesma regra de aposentadoria de policiais civis e federais, que é a mais benéfica de toda a reforma: idade mínima prevista de 55 anos, sem regra de transição. A categoria alegava que possui aposentadoria especial hoje, mas a reforma estava retirando esse direito.
Os servidores, além de representantes dos aeronautas, fizeram ontem um corpo a corpo durante a sessão do colegiado para tentar convencer os deputados a alterar o texto em benefício desses trabalhadores, enquanto agentes penitenciários invadiram o Ministério da Justiça. O relator disse à imprensa que nada mudaria. Enquanto isso, integrantes da base aliada reconhecem alguns “ajustes” que devem ser feitos.
O presidente da comissão especial, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), já tinha adiantado que o relator apresentaria um novo texto nesta quarta-feira, antes do início da votação. “A base do texto é a mesma. Pode ser que, nesse meio tempo, se evidencie que alguma situação passou desapercebida pelo próprio relator e, amanhã, ele pode, ele tem essa prerrogativa de ver alguma situação ajustada no texto”, disse.

FONTE: http://istoe.com.br/relator-discutira-mais-mudancas-no-parecer-da-reforma-da-previdencia/

Compartilhe