Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
destaque home

No 1º de maio, centro do Rio de Janeiro vê demonstração da rejeição popular à Reforma da Previdência

O Dia do Trabalhador foi uma data de luta em todo o Brasil. Trabalhadores de várias cidades foram às ruas para reivindicar direitos e reforçar sua oposição aos desmontes e retrocessos que ameaçam o futuro do país.

No Rio de Janeiro, o alvo da mobilização foi a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019, a Reforma da Previdência.

As principais centrais sindicais convocaram a população para se concentrar na Praça Mauá, em uma grande manifestação em defesa dos direitos previdenciários do povo brasileiro. O Sindjustiça-RJ atendeu ao chamado para a luta e participou do ato.

Com faixas, manifestações artístico-culturais e ações de panfletagem, os participantes da mobilização denunciaram os perigos da aprovação da Reforma, que foi elaborada em um modelo que irá corroer as aposentadorias e pensões, e desassistir milhares de famílias brasileiras.

Durante a atividade, representantes de entidades sindicais também recolheram assinaturas para o abaixo-assinado nacional contra a PEC 6/2019.

A iniciativa correu o Brasil durante todo o mês de abril e, agora, será encaminhada ao Congresso Nacional para demonstrar que a população não está ao lado de um projeto que apenas beneficia banqueiros e grandes empresários, enquanto ameaça a subsistência dos assalariados.

“O dia 1º de maio é um dia de luta desde suas origens. Neste momento, a nossa principal luta é garantir que a Constituição continue sendo cumprida. A Previdência Social tem uma função primordial no combate às desigualdades desde o processo de redemocratização do Brasil. É inaceitável que a seguridade seja destruída no país em nome das vontades do mercado financeiro”, salientou o diretor-geral do Sindjustiça-RJ Tony Vieitas.

A mobilização também contou com menções à vereadora carioca Marielle Franco, símbolo da resistência diante dos ataques violentos à liberdade de manifestação e aos direitos humanos. Já um grupo de sambistas realizou uma performance em memória da cantora Beth Carvalho, que sempre foi uma voz ativa na luta pelos direitos dos trabalhadores e faleceu na última terça-feira (30).

Fonte: Sindjustiça-RJ

Compartilhe