Skip to content

Servidor: Discussão para cobrança dos 14% para previdência ganha forma

Aumento da contribuição previdenciária de 11% para 14% de servidores estaduais já em outubro vem ganhando forma na Procuradoria Geral do Estado (PGE)

Rio – A discussão sobre o aumento da contribuição previdenciária de 11% para 14% de servidores estaduais já em outubro vem ganhando forma na Procuradoria Geral do Estado (PGE). A PGE segue estudando a possibilidade de se cobrar logo a nova alíquota das categorias que estão com salários em dia (incluindo o 13º) para dar um parecer a pedido da Secretaria de Fazenda, conforme a coluna informou no último dia 16. O órgão ressaltou que “não há prazo” para a análise ser concluí-da, mas se depender da intenção da equipe fi nanceira do governo, o documento poderá ficar pronto em breve.
Fontes destacaram que a condicionante para aplicação da lei que eleva a contribuição previdenciária é os salários estarem em dia. Diante disso, eles defendem que se inicie a cobrança pelos Poderes e órgãos que recebem duodécimo e estão com os pagamentos quitados: Judiciário (Tribunal de Justiça), Legislativo (Alerj), Ministério Público, Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Defensoria Pública (que é do Executivo, mas roda sua própria folha).
Ativos da Educação e integrantes da Secretaria de Meio Ambiente, além da PGE, fazem parte do Executivo Estadual e também estão com todos os créditos em dia. A partir de eventual entendimento favorável da Procuradoria em agosto ou até a primeira quinzena do próximo mês, o estado aplicará já sobre a folha de setembro (paga em outubro) os 14%.

ACORDO FISCAL 1

Demora

O estado aguarda ansiosamente a homologação do acordo de recuperação fiscal pelo presidente Temer. No entanto, a análise ainda está em fase inicial. Além de faltar o parecer jurídico da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional sobre o plano apresentado pelo governo, fontes relataram que o Tesouro Nacional aponta problemas em relação ao fluxo fi nanceiro para o ajuste nas contas do Rio.

ACORDO FISCAL 2

Economia

O plano do estado aponta diversas ações de corte de despesas e aumento de receitas. No que se refere à economia gerada pela redução de incentivos fiscais, o governo calculou alívio de R$ 10,5 bi em seis anos (o regime é por três anos e pode ser prorrogado pelo mesmo período). Com a suspensão do pagamento da dívida com a União por três anos, cortará despesas de cerca de R$ 22 bi.

ACORDO FISCAL 3

Obstáculos

Segundo fontes, o Tesouro viu que a ampliação do Repetro (incentivos fi scais às petroleiras) pela União (e provável adesão por estados) vai gerar “rombo no modelo financeiro do Rio de R$ 600 milhões” em três anos. Ou seja, o estado terá que cobrir com outra receita ou mais cortes. Vale ressaltar que em reunião do Confaz, em setembro, osentes debaterão o assunto.

CONTAS DE 2016

Parecer no dia 29

A Comissão de Orçamento da Alerj vai apreciar, na terça-feira, as contas de 2016 do estado, que foram rejeitas pelo TCE. O relator, Edson Albertassi (PMDB), entregará seu voto aos membros do colegiado na quinta. Luiz Paulo (PSDB)apresentará voto divergente e adiantou que será contrário. Ele destacou que a votação plenário da Casa tem que ocorrer até 1º de outubro.

FONTE: http://odia.ig.com.br/economia/2017-08-23/servidor-discussao-para-cobranca-ganha-forma.html

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

NOTA DE PESAR

Comunicamos, com enorme tristeza, o falecimento da colega Priscilla Braga, ocorrido na manhã desta quinta, por complicações da Covid. Priscila estava lotada no Fórum da

VENDA DA LICENÇA TERMINA HOJE, 21

Termina hoje, 21 de maio, o prazo para venda da licença-prêmio! Por favor, compartilhem a informação e avisem aos colegas da serventia que estejam de

X