Skip to content

Sindjustiça-RJ entra com ação contra Paulo Guedes por ofensas aos servidores

O Sindjustiça-RJ, em conjunto com outras entidades representativas dos servidores públicos, entrou com uma ação na Comissão de Ética Pública Federal contra o ministro da economia, Paulo Guedes.

A ação sugere a aplicação de penalidade de advertência e o encaminhamento de sugestão de exoneração pelas seguidas ofensas que o ministro tem desferido contra o funcionalismo. Em maio, ele se referiu aos servidores como “assaltantes” e “saqueadores”.

Essa ofensa não foi algo isolado. Em diversas ocasiões ele sugeriu, sem provas, que o funcionalismo público seria causa de supostos problemas financeiros do país. Nas discussões sobre a Reforma da Previdência, ele acusou os servidores de fazer lobby pela manutenção de supostos “privilégios”, inclusive chamando de “parasitas” todos os que desejam uma reposição salarial (como é o caso dos serventuários do TJ-RJ, que estão desde 2014 sem reposição).

Ao se referir ao projeto de lei que determinava o congelamento salarial até o final de 2021, Guedes afirmou que seria a “granada no bolso” dos servidores. Basta lembrar que a única função de uma granada é a destruição de seus oponentes. É esta a visão que ele tem do funcionalismo.

“Essas declarações caluniosas e difamatórias buscam manchar o imaginário público sobre o que é ser servidor e qual a sua importância para a sociedade, especialmente nesta época da pandemia, exclusivamente para demonizar o funcionalismo. Ou seja, Paulo Guedes faltou com decoro, respeito e zelo ao falar da honorabilidade e desempenho do funcionalismo público, e por isso deve ser punido pela Comissão de Ética, no mínimo”, afirmou a advogada Aracéli Rodrigues, sócia do escritório Cassel Ruzzarin Santos Rodrigues Advogados, que faz parte da assessoria jurídica do Sindjustiça-RJ.

Para o sindicato, as acusações de Paulo Guedes fazem parte de um arcabouço retórico, consciente e metodicamente calculado, que tem como objetivo criar no imaginário popular uma visão deturpada sobre os serviços públicos e sobre os servidores. Com isso, ele pretende conseguir apoio aos projetos que visam a transferência de responsabilidades do Estado para que a inciativa privada possa lucrar sobre as necessidades da população.

Ao mesmo tempo, Guedes desvia o foco de seus próprios interesses e dos grupos econômicos que ele representa, já que o ministro tem sua origem no sistema financeiro e é justamente este o maior beneficiário dos recursos do governo: cerca de 40% do orçamento da União é destinado ao pagamento de juros e amortização da dívida (nunca auditada).

O processo foi protocolado sob o nº 00191.000624/2020-89.

 

Fonte: Sindjustiça-RJ

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

DIA DO ADVOGADO – 11/AGO

Não basta ter conhecimento jurídico, ser competente, pontual ou ter boa oratória… sempre haverá pedras no caminho, que fariam pessoas comuns desistirem ou repensarem as

NOTA DE PESAR

Infelizmente, faleceu hoje o nosso querido funcionário Marco Paulo Feitosa, que atuava no setor de arquivo do Sind-Justiça. Era um dos funcionários mais antigos do

X