Skip to content

ADVOGADOS DE RESENDE ENFRENTAM PROBLEMAS EM PRÉDIO DO JEC

Em mais um dia de caravana pelas subseções, a comitiva da OAB/RJ esteve em Resende nesta terça-feira, dia 25. No município, o presidente da Seccional, Felipe Santa Cruz, pôde observar de perto alguns dos principais problemas enfrentados pelos advogados da região. Entre eles, a falta de estrutura da sede da subseção e do prédio do antigo fórum, que hoje abriga o Juizado Especial Cível (JEC).

Na sede, a solução já está a caminho, com a construção de uma nova casa. Localizado próximo ao fórum novo e à delegacia, o terreno de 1.980 metros quadrados tem espaço suficiente para criação de um amplo auditório e instalação de computadores. “As obras estão em andamento e devem ficar prontas no meio do ano”, explicou Felipe.

No juizado, apesar dos constantes pedidos, o tribunal ainda não modernizou as instalações elétricas do prédio. Com isso, são comuns as quedas de energia e até mesmo o funcionamento da sala dos advogados no local está prejudicado. “Não podemos ligar os dois computadores simultaneamente. Na entrada do prédio há um ventilador resfriando o disjuntor de energia. Um absurdo total “, contou Samuel Carrreiro, presidente da Subseção.

A falta de servidores é outra queixa de Carreiro. “Sabemos que esta é uma falta sentida em todo estado, em Resende não é diferente”, disse. No entanto, explicou o presidente da Subseção, há um ponto que diferencia Resende das demais regiões, o juiz do JEC. “Mesmo com tantos problemas, temos aqui um magistrado comprometido com seu trabalho”, afirmou.

Na ocasião, Felipe conversou com o juiz Cristiano Paes Leme para agradecer o trabalho empenhado. “A primeira instância, em especial os JECs, concentram as maiores queixas do tribunal. Fico muito satisfeito quando chego a uma comarca em que há o comprometimento de desenvolver nessas serventias um bom trabalho”, elogiou Felipe.

Entre as medidas tomadas pelo juiz está a separação do atendimento de colegas e partes sem advogados. A medida foi tomada com o intuito de avitar filas. “As partes demoram no atendimento do balcão, e os advogados resolvem tudo de uma forma mais prática. Decidi separar para agilizar o apoio aos advogados, sem que seja feita nenhum tipo de pressão ao recebimento das partes”, explicou.

Segundo o magistrado, sobre as questões estruturais, há um compromisso do Tribunal de Justiça de modernizar o prédio até o fim do ano. Após sair de Resende, a comitiva seguiu para Barra do Piraí. (informações da OAB/RJ)

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

NOTA DE PESAR

Com enorme tristeza, comunicamos o falecimento de Maria Auxiliadora Rio Doce. Maria trabalhava como escrevente juramentada no 18º oficio de notas. O velório será neste

NOTA DE PESAR

Com enorme tristeza, comunicamos o falecimento da nossa colega Mônica Vasconcellos Santos, que era lotada na comarca de Niterói. O velório e o sepultamento serão