Skip to content

Cautelar que suspendeu a reposição de 5% será reapreciada pelo Supremo

A partir de 20 de setembro, Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) reapreciará a medida cautelar que suspendeu a Lei 8.071/2018 do Estado do Rio de Janeiro, que concedeu, a contar de setembro de 2018, reajuste de 5% na remuneração dos servidores do Poder Judiciário fluminense.

Em agosto de 2018, atendendo uma ação direita de inconstitucionalidade (ADI) ajuizada pelo então governador, Luiz Fernando Pezão, o ministro Alexandre de Moraes deferiu a medida cautelar para suspender a reposição salarial.

Pezão sustentou que o reajuste colocava em risco o Regime de Recuperação Fiscal firmado pelo estado com a União, implicando em aumento de remuneração vedado pela Lei Complementar 159, de 2017.

No entanto, desde o início do processo, o Sindjustiça-RJ demonstrou que a ADI não poderia ser admitida porque não foi demonstrada nenhuma violação direta da Constituição. Além disso, o reajuste previsto na lei não poderia ser considerado aumento vedado pelo Regime de Recuperação Fiscal, pois a reposição apenas recuperou parcialmente perdas inflacionárias, sem nenhum ganho real aos servidores.

Apesar disso, o relator deferiu a cautelar para sustar a reposição porque a lei teria sido editada no curso do período de eleições e representaria aumento, o que seria expressamente vedada pela legislação eleitoral.

Houve aí um equívoco. O ministro relator não percebeu que a reposição de 5% não se referia a 2018, ano que ele tomou por base para a sua premissa. Ele também não percebeu que a suposta violação à legislação eleitoral não equivale a violação da Constituição. Este seria um critério para impugnar a lei.

Depois da insistência do Sindjustiça-RJ, que requereu a continuação do julgamento, mediante requisição dos autos da Procuradoria-Geral da República (PGR) – que estava com o processo desde novembro de 2018 sem apresentar parecer – finalmente o relator submeteu o processo à apreciação do plenário virtual do STF, onde está em apreciação até o dia 27 de setembro.

O escritório Cassel Ruzzarin Santos Rodrigues Advogados, que faz a assessoria jurídica do sindicato em Brasília, vai distribuir os memoriais aos ministros da Suprema Corte, para que a medida cautelar não seja referendada.

Ao mesmo tempo, o Sindjustiça-RJ continuará usando todos os caminhos para garantir a valorização da categoria.

Fonte: Sindjustiça-RJ

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

NOTA DE PESAR

Comunicamos, com enorme tristeza, o falecimento da colega Priscilla Braga, ocorrido na manhã desta quinta, por complicações da Covid. Priscila estava lotada no Fórum da

VENDA DA LICENÇA TERMINA HOJE, 21

Termina hoje, 21 de maio, o prazo para venda da licença-prêmio! Por favor, compartilhem a informação e avisem aos colegas da serventia que estejam de

X