Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

DILMA INICIA ENTREGA DE AEROPORTOS PARA SETOR PRIVADO, QUE JÁ COBRA ATÉ COPO D’ÁGUA EM VOOS

Quase um ano e meio após ter sido eleita prometendo não privatizar e interromper o processo de desestatização iniciado 20 anos atrás pelo governo de Fernando Collor, a presidenta Dilma Rousseff começa a pôr em prática, nesta segunda-feira (6), a privatização dos aeroportos brasileiros, com o leilão do controle de três unidades: Guarulhos (SP), Campinas (SP), o maior do país, e Brasília (DF).

O leilão que acontecerá na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) é conduzido a toque de caixa, como admitiu, ou comemorou, a ministra do Planejamento, Miriam Belchior. Ela declarou que a privatização será em tempo “recorde” — pouco mais de seis meses se passaram desde a decisão do governo de incluir os aeroportos no Programa Nacional de Desestatização (PND). Criado no governo Fernando Collor, que acabou destituído por corrupção, o PND segue em vigor, apesar das freqüentes críticas de integrantes dos governos petistas — Dilma e, antes Lula — às privatizações.

Acontece ainda em meio às polêmicas lançadas pelo livro “A Privataria Tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro, que relata casos de irregularidade e corrupção nas privatizações ocorridas no governo FHC. A ‘pressa’ em privatizar — que ajuda a gerar desconfiança sobre a lisura e os interesses envolvidos — é um dos problemas apontados por críticos ao programa de desestatização do governo tucano. A nova privatização petista, a exemplo do ocorreu nas anteriores, também contará com recursos públicos — dinheiro do BNDES financiará o processo, a juros abaixo dos cobrados no mercado.

Onze grupos empresariais disputam a concessão dos três aeroportos. O setor privado já controla todas as companhias aéreas brasileiras, área que passa por um processo de concentração — hoje apenas duas empresas, TAM e GOL, dominam mais de 90% do mercado. A privatização acontece após uma campanha declarada dos grandes veículos de comunicação, que trabalharam para criar uma imagem de que os aeroportos do país não funcionam. Nesse processo, problemas diretamente ligados a empresas — como atrasos no voos ou venda de passagens além da capacidade das aeronaves — acabaram depositados na conta da Infraero, a estatal que administra os aeroportos.

A qualidade dos serviços (privados) oferecidos pelas aéreas, porém, vem decaindo. Há ainda uma ampliação do que é tarifado. Na TAM, agora paga-se por acentos menos desconfortáveis. Na Web Jet, comprada pela GOL, não há como pagar conforto — todas as cadeiras, além de apertadas, não são mais reclináveis —, mas até o copo d’água é tarifado: custa três reais, com o detalhe de que é proibido ao passageiro embarcar com sua própria água. Não surpreende, portanto, que críticos da privatização temam que as concessões levem ao aumento de tarifas e à piora de serviços. (informações do Luta Fenajufe Notícias)

Compartilhe