Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Esquema de Cabral teve propina paga no exterior

Delação da Odebrecht vai apontar depósito de propinas em contas internacionais

RIO — Os investigadores da Lava-Jato no Rio esperam que uma nova remessa de delações premiadas — a começar pela Odebrecht, provavelmente esta semana — amplie o conjunto de provas e os personagens envolvidos no esquema de propinas comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral. Uma das informações mais quentes é esperada de Benedicto Júnior, ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, e de Leandro Andrade Azevedo, ex-diretor da empreiteira no Rio: as contas internacionais do esquema, nas quais a empresa teria depositado regularmente a taxa de 5% cobrada por Cabral pelas grandes obras que executou no estado.
O ex-governador e outros nove integrantes do esquema foram presos, na quinta-feira, durante a Operação Calicute, após terem sido delatados por executivos das construtoras Andrade Gutierrez e Carioca Engenharia. Já a próxima remessa de delações, além dos mais de 60 executivos da Odebrecht, prevê acordos com Fernando Cavendish, da Delta Construções, e com Reginaldo Assunção, diretor da OAS-RJ.
A Odebrecht atuou, durante o governo Cabral (2007-2014), em praticamente todas as obras públicas importantes, como a reforma do Complexo do Maracanã e a construção do Arco Metropolitano, da Linha 4 e do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Orçada inicialmente em R$ 700 milhões, a obra do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014 saltou para R$ 1,2 bilhão após receber 14 termos aditivos. Se a Odebrecht, que liderou o consórcio construtor formado pela Delta e pela Andrade Guitierrez, confirmar que também pagou 5% de propina, esse valor representará um suborno estimado em R$ 60 milhões.

DOLEIRO COMO ENTREGADOR DE PROPINA

Benedicto Júnior, na presidência da Odebrecht Infraestrutura, era um dos principais interlocutores da empreiteira com o mundo político. Ele, que chegou a ser preso em março pela Operação Xepa, na 26ª fase da Lava-Jato, foi apresentado a Cabral no início do governo, em 2007, pelo então secretário estadual de Saúde, Sérgio Côrtes. Semanas depois, já frequentava a casa de Cabral no condomínio Portobello Resort, onde acabaria construindo, anos depois, uma mansão a poucos metros da casa do ex-governador.
A Odebrecht, de acordo com a força-tarefa da Lava-Jato, tinha uma estrutura profissional de pagamento de propina, o “Setor de Operações Estruturadas”, subordinado a Benedicto Júnior. Em planilha apreendida pela Xepa na casa do executivo, apareciam codinomes vinculados a repasses de valores. Os investigadores acreditam que o documento era uma espécie de contabilidade da propina. Um dos codinomes, “Proximus”, aparece relacionado a repasses de R$ 2,5 milhões por conta da obra da Linha 4 do Metrô.
As delações da Odebrecht deverão apontar o doleiro Álvaro José Galliez Novis, da Hoya Corretora de Valores e Câmbio, do Rio, que também chegou a ser preso na Xepa, como responsável pela entrega de propina da empreiteira. Na Calicute, as investigações demonstraram que Carlos Emanuel de Carvalho Miranda, preso na quinta-feira, sob a acusação de ser o coletor da propina de Cabral, trocou dólares por intermédio de Novis para uma viagem do filho.
Novis, na planilha da Odebrecht, era tratado pelos codinomes Carioquinha e Paulistinha (porque ele supostamente cuidava das propinas no Rio e em São Paulo). Na planilha apreendida na casa de Benedicto Júnior, “Proximus” teria recebido R$ 2,5 milhões em cinco parcelas de R$ 500 mil pela Linha 4 do Metrô, com o pagamento efetuado nos dias 16 de setembro, 24 e 29 de outubro, 12 e 13 de novembro de 2014, período em que acontecia no estado a eleição para a sucessão de Cabral (vencida por Luiz Fernando Pezão).
A entrega do dinheiro releva um caminho na direção do PMDB fluminense. De acordo com os documentos arrecadados pela Lava-Jato, a propina foi repassada a Olívia Vieira, na Avenida das Américas 3.500, Barra da Tijuca. Olivia Vieira era, na época, gerente da CS 986 Administração e Participações, que funcionava neste endereço. Ela tem como sócios Sandro Alex Lahmann e Gláucia dos Reis Lahmann
Sandro Alex, como sócio de outra empresa, a Lahmanno Rio Comercial Cirúrgica, foi flagrado na Operação Furacão, deflagrada contra a cúpula da contravenção no Rio, em 2007, por subornar dois agentes da Polícia Federal. Ele queria abafar um inquérito instaurado a partir relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras, do Ministério da Justiça (Coaf), que detectou movimentação atípica no valor de R$ 8,3 milhões, entre outubro de 2003 e setembro de 2004, na agência do Banco do Brasil em Bento Ribeiro. Este dinheiro teria sido usado, segundo o relatório do Ministério Público Federal, para financiar a campanha política do PMDB.
Fernando Cavendish ainda está negociando a delação. Um dos episódios que deverão ser confirmados pelo empresário é o do anel da grife Van Cllef & Arpels, no valor de R$ 800 mil, presente de Cabral a então primeira-dama Adriana Ancelmo, pago por Cavendish durante viagem a Montecarlo, em 2011. Já a OAS reiniciou as conversas sobre a delação que haviam sido interrompidas.
Procurada, a Odebrecht não quis se manifestar sobre a delação. Os advogados de Cabral não foram localizados, mas um deles, Raphael Mattos, disse ao jornal “O Estado de S.Paulo” que a defesa ingressará com pedido de habeas corpus para Cabral esta semana. Ele explicou que a demora no ingresso do recurso se deve à complexidade do processo, que envolve pedidos de prisão feitos pela Justiça Federal do Rio e de Curitiba.

FONTE: http://oglobo.globo.com/brasil/esquema-de-cabral-teve-propina-paga-no-exterior-20507389

Compartilhe