Skip to content

SOBRE A DATA-BASE (NOVAMENTE)

Voltaram a circular entre a categoria textos criticando o Sind-Justiça pela falta de data-base, com os velhos chavões de sempre: “E a data-base?”… “O Sind nunca fala da data-base…” “O Sind trocou a data-base por benefícios…” “e os aposentados que além disso ainda não têm auxílio-medicamento?”… e tem textos dizendo que “estamos sem reposição desde 2017”, dentre outras mentiras que induzem a erro a categoria…

Não é possível que tudo isso seja só desinformação. E não é. Todos sabemos a origem destes textos repetitivos e mentirosos e sabemos que as pessoas que espalham isso só querem tentar colocar a categoria contra o Sindicato, mas vamos explicar NOVAMENTE o que já explicamos diversas vezes:

1) “E a data-base?” – A data-base neste ano não depende mais do Tribunal. O Conselho de Regime Fiscal determinou, com aval do STF, que o reajuste deste ano só pode ser concedido se for o reajuste geral anual, que só pode ser concedido pelo Governador. Com isso, NINGUÉM está tendo reajuste neste ano. MP, TCE, ALERJ, PGE… vamos repetir: com isso, NINGUÉM está tendo reajuste neste ano. MP, TCE, ALERJ, PGE… estamos todos trabalhando junto ao governo do estado para conseguir o reajuste, mas esbarramos em algumas dificuldades, como o fato de que outras categorias do estado estão em situação ainda pior, aguardando reajustes mais antigos, então não há como unificar uma pauta de reajuste, mas seguimos trabalhando com estes outros órgãos.

2) ““O Sind nunca fala da data-base…” – Falamos. Diversas vezes. Explicamos. Repetimos. E estamos repetindo de novo agora. Aí, amanhã vai surgir outra postagem das pessoas de sempre, intitulada “O Sind nunca fala da data-base”…

3) “O Sind trocou a data-base pelos benefícios” – Este é o chavão preferido de 9 entre 10 pessoas de má-fé. Vamos explicar novamente: as fontes de recursos são diferentes. Isso significa que se o Sindicato abrir mão de benefícios, não haverá um único centavo a mais para reajuste salarial. Os recursos dos benefícios vêm do Fundo Especial. Os recursos dos reajustes vêm do orçamento do Estado. Assim, se o Sindicato não brigar por novos benefícios e pelo reajuste dos benefícios já existentes, a única diferença é que vai sobrar mais dinheiro do Fundo pra usarem com os magistrados, que não abrem mão de um único benefício, porque sabem que seria uma estupidez fazer isso. O reajuste deste ano só pode ser concedido pelo Governador (leia o item 1 acima novamente). Os benefícios podem ser reajustados e concedidos pelo Tribunal, com todas as limitações e restrições que já conhecemos, por parte do conselho de regime fiscal. Então, o Sind não vai abrir mão de lutar pelo reajuste de nenhum benefício e por nenhum benefício novo, mesmo que você não leve alguns para os proventos. Vamos repetir: o Sind não vai abrir mão de lutar pelo reajuste de nenhum benefício e por nenhum benefício novo, mesmo que você não leve alguns para os proventos. E se você, que repete esta bobagem todos os dias nos grupos, para inflamar e enganar os colegas, realmente é contra os benefícios, coloque seu discurso em prática e abra mão dos seus benefícios, para ser coerente com o seu discurso de que “sempre fui contra e sempre alertei, mas nunca fui ouvida…” se você recebe abono de Natal, adicional, auxílio-educação, auxílio-alimentação e vai ganhar auxílio-medicamento… é só encaminhar um requerimento dizendo a mesma coisa do seu discurso: “estou abrindo mão porque sempre fui contra e sempre alertei, mas nunca fui ouvido…” estamos aguardando o primeiro crítico coerente…

4) “E os aposentados que ainda estão sem auxílio-medicamento?” – Vamos explicar. Novamente. Se você perguntar a qualquer colega seu aposentado de outra categoria se ele recebe algum auxílio-medicamento, a resposta será não, porque ninguém mais recebe o auxílio-medicamento. O Sind-Justiça criou o projeto, pioneiro no Rio, lutou incessantemente por sua aprovação, o projeto chegou a ser negado, conseguimos reverter, conseguimos aprovação no Órgão Especial e conseguimos, após muita negociação, uma data de implementação, em janeiro. Tudo isso ouvindo todo tipo de reclamação por parte dos maiores beneficiados que são os aposentados. Os mesmos aposentados para quem já conseguimos diversas conquistas recentes, como adicional de qualificação, auxílio-educação, Abono de Natal e muitos outros, que todos já conhecem. E, sim, o Sind também está ciente de que todos vamos nos aposentar um dia e todos nós, não só do Sind como de toda a categoria, queremos receber o auxílio-medicamento quando nos aposentarmos. Só que isso não tem o condão de fazer o benefício ser implementado imediatamente, porque não é o Sind quem implementa, e parece que alguns não sabem disso e, em vez de serem gratos por finalmente terem uma data para implementação, continuam reclamando 24h por dia e culpando o Sindicato pelo “atraso” na implementação de um benefício que só existirá para eles, e graças ao esforço do Sind-Justiça.

SIND-JUSTIÇA
DIREÇÃO GERAL
Alzimar Andrade
Luiz Otávio Silveira
Ramon Carrera

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Veja Também

Outras Postagens

NOTA DE PESAR

Com enorme tristeza, comunicamos o falecimento da colega Claudia Maria Teixeira Rivas. Maria era serventuária aposentada e trabalhou na 1ª vara de família de Nova