Skip to content

FUNÇÃO CORREICIONAL DO CNJ NÃO PODE SER DIMINUÍDA, AFIRMA LEWANDOWSKI

O presidente do Conselho Nacional de Justiça, ministro Ricardo Lewandowski, negou que o anteprojeto da nova Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman), em estudo pelo Supremo Tribunal Federal, contenha medidas que possam esvaziar as funções do CNJ. A declaração foi feita na abertura da sessão plenária do órgão, nessa terça-feira (7/4), e foi uma resposta a notícias sobre a proposição veiculadas recentemente pela imprensa.

Uma dessas notícias foi publicada nesta quarta-feira (8/4) pelo jornal O Globo. De acordo com a reportagem, conselheiros criticam uma proposta do ministro para o novo Estatuto da Magistratura que prevê que os interrogatórios de juízes que respondem a processos disciplinares sejam conduzidos apenas por integrantes de toga — mesmo se o procedimento for no Conselho. Como o CNJ não é composto apenas por magistrados, os conselheiros acham que a medida poderia retirar poderes do órgão para apurar irregularidades.

De acordo com Lewandowski, a proposta trata de outros procedimentos disciplinares envolvendo magistrados e que não interferem no trabalho do CNJ. O ministro negou que os conselheiros deixarão de interrogar os juízes durante as apurações correicionais e disse que as notícias nesse sentido são inverídicas. “Essa notícia não tem o menor cabimento. Os conselheiros têm sua função assegurada na Constituição”.

Na sessão, o ministro lembrou que o anteprojeto para atualizar a Loman, que data de de 1979, começou a ser discutido no Supremo há pelo menos dez anos, especialmente após a aprovação da Emenda Constitucional 45/2004, que resultou na reforma do Judiciário. Ele destacou que, desde então, o texto vem sendo construído de forma colaborativa, e que o anteprojeto vai ser discutido pelos ministros do STF antes de ser encaminhado ao Congresso Nacional.

“Sempre que muda a presidência de um órgão, muda-se a perspectiva, muda-se a visão, muda-se, enfim, a direção que se imprime ao órgão. E essa presidência tem procurado imprimir direções sem prejuízo da função correicional, que a própria Constituição atribui ao CNJ e não pode ser de qualquer forma diminuída. Todos têm desempenhado excelente trabalho e essa missão permanece intocada”, afirmou o ministro.

DESAFIOS — Na intervenção, o ministro destacou que um dos principais desafios de sua gestão é enfrentar o estoque de 100 milhões de processos em andamento no país com apenas os atuais 16,5 mil magistrados para julgar os casos.

Lewandowski afirmou que o Conselho tem se esforçado para difundir métodos alternativos de solução de controvérsia, como a conciliação, a mediação e a arbitragem, justamente para incentivar a desjudicialização. “Precisamos evitar a cultura da litigiosidade e implantarmos no Brasil uma cultura de pacificação”, afirmou.

Outro desafio, de acordo com ele, é o combate à cultura do encarceramento. De acordo com o ministro, a população carcerária no Brasil supera os 600 mil detentos, sendo que 40% deles são de presos provisórios. Pelo menos 240 mil pessoas poderiam estar cumprindo medidas alternativas previstas no Código de Processo Penal, destacou o ministro.

Com relação a esse tema, Lewandowski anunciou que, dentro de alguns dias, o CNJ vai assinar um convênio com o Ministério da Justiça para adquirir tornozeleiras eletrônicas que serão distribuídas às Secretarias de Segurança Pública ou de Administração Penitenciária para que sejam utilizadas pelos juízes de execução penal em todo o Brasil. (com informações do CNJ)

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

NOVO PRAZO PARA VENDA DE LICENÇA

AVISO TJ Nº 80/2021O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, DESEMBARGADOR HENRIQUE CARLOS DEANDRADE FIGUEIRA, no uso de suas atribuições

NOTA DE PESAR

Comunicamos, com enorme tristeza, o falecimento da colega Priscilla Braga, ocorrido na manhã desta quinta, por complicações da Covid. Priscila estava lotada no Fórum da

VENDA DA LICENÇA TERMINA HOJE, 21

Termina hoje, 21 de maio, o prazo para venda da licença-prêmio! Por favor, compartilhem a informação e avisem aos colegas da serventia que estejam de

X