Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Marun diz que votação do parecer da Previdência está mantida para quarta

Relatório do deputado Arthur Maia (PPS-BA) propõe idade mínima de aposentadoria pelo INSS de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres.

O presidente da comissão especial da reforma da Previdência, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), declarou nesta terça-feira (2) que a votação do parecer do relator, Arthur Maia (PPS-BA), que muda as regras para a aposentadoria, está mantida para quarta-feira (3).
Entre outros pontos, o relatório propõe idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres para se aposentar pelo INSS, além de 25 anos de tempo de contribuição.
“Em conformidade com o acordo que celebramos com a oposição, vamos concluir hoje [terça] a discussão e amanhã [quarta] já iniciaremos os trabalhos começando o processo de votação, que entendemos tem chance, inclusive, de se concluir ainda no dia de amanhã”, disse Marun.
Aliado do Palácio do Planalto, o presidente do colegiado afirmou ainda ter “segurança” de que a proposta será aprovada e descartou qualquer possibilidade de se adiar a votação, conforme alguns líderes governistas vinham defendendo nos bastidores.
“Não existe necessidade [de adiar a votação], nós temos absoluta segurança de uma maioria consistente na comissão. O projeto já foi bastante ajustado, ou seja, sugestões de ajuste dos parlamentares e da sociedade foram, em sua maioria, incorporadas ao texto. Então, não existe motivo para mais adiamentos”, ressaltou.
Nesta terça, a comissão especial deverá realizar a última sessão de debates entre os deputados. Para ser aprovado na comissão, é preciso que receba pelo menos 19 dos 37 votos. Depois, o texto fica pronto para seguir para o plenário da Câmara, onde, por se tratar de uma mudança na Constituição, precisará de pelo menos 308 votos para ser aprovado e ser enviado ao Senado.
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), chegou a dizer que a previsão era colocar em votação no plenário já na semana seguinte à aprovação na comissão. No entanto, esse calendário poderá ser estendido até que se consiga um consenso dentro da base aliada em torno do texto.
Isso porque a votação do projeto de lei da reforma trabalhista, aprovado com 296 votos na semana passada, serviu de termômetro para mostrar ao governo que talvez não consiga o número necessário de votos na da previdência, que exige um placar ainda mais alto do que um projeto de lei comum.
“Não há receio [de não ser aprovado no plenário], há uma responsabilidade muito grande pela vitória, pela aprovação dessa PEC porque entendemos que o Brasil precisa disso. E seríamos irresponsáveis se não houvesse preocupação”, afirmou Marun.
Segundo o Blog do Camarotti, para garantir a aprovação da reforma da Previdência, o governo fez uma contabilidade das traições da votação da reforma trabalhista e a estratégia é desonerar os nomes indicados por deputados rebeldes
“Eu não tenho conhecimento específico dessas exonerações, (…) mas é natural que quem é governo tenha que agir como governo”, disse.

FONTE: http://g1.globo.com/politica/noticia/marun-diz-que-votacao-do-parecer-da-reforma-da-previdencia-esta-mantida-para-quarta.ghtml

Compartilhe