Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Pezão afirmou em reunião que não sabe se chega ao fim do mandato, diz líder de movimento de servidores

Presidente da Alerj afirmou que soluções para o estado seriam impeachment ou intervenção federal. Ao RJTV, Pezão se disse focado em fechar acordo de recuperação fiscal.

O presidente do Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Rio (Muspe), Ramon Carrera, afirmou, ao sair de reunião com Luiz Fernando Pezão na tarde desta quinta-feira (22), que o governador disse “repetidas vezes” durante o encontro que não sabe se chegará ao fim do mandato, em 2018. A afirmação acontece no dia em que o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), disse que em entrevista à rádio CBN, na manhã desta quinta-feira (22), que a solução para o estado é uma intervenção do governo federal ou o impeachment do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).
Os comentários teriam acontecido quando foi abordada a questão financeira do estado. “Me surpreendeu a naturalidade com que o governador disse repetidas vezes que não sabe se chegará até o fim do governo em 2018. O governador disse que não tinha um plano B e que se o acordo de recuperação fiscal não for assinado, não tem como pagar os salarios”, disse o representante do Muspe.
Pezão recebeu representantes do Muspe no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, Zona Sul do Rio. Na reunião, que durou cerca de 90 minutos, Pezão reiterou que a prioridade do governo estadual é o pagamento dos salários dos servidores ativos, inativos e pensionistas.
Em nota sobre a reunião, o governo do estado não mencionou a declaração. Disse que, durante o encontro, o governador “explicou que a assinatura da adesão do Estado do Rio de Janeiro ao Regime de Recuperação Fiscal deverá ocorrer em breve e, assim que a homologação estiver concluída, os pagamentos dos salários e vencimentos deverão estar regularizados em prazo de cerca de 60 dias”.
“O termo de compromisso que resultou no Regime de Recuperação Fiscal foi assinado, entre o governo federal e o Estado do Rio, no dia 26 de janeiro. No fim de maio, houve a aprovação do texto final no Congresso Nacional, sendo que o governo fluminense já cumpriu a maior parte das contrapartidas exigidas pela União”, acrescenta o texto.
Pezão se diz dedicado a fechar acordo após declarações
O presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, deputado Jorge Picciani, disse em entrevista à rádio CBN, na manhã desta quinta-feira (22), que a solução para o estado é uma intervenção do governo federal ou o impeachment do governador Luiz Fernando Pezão.
“Aprovamos muito mais na Previdência do que eles [governo federal] pediram. Aprovamos a [venda da] Cedae. Aprovamos em cima dos incentivos fiscais o pagamento de 10% do Fundo de Equilíbrio Fiscal. Aprovamos o aumento do ITB. Aprovamos o aumento do IPVA, o aumento da energia elétrica, da cerveja e do fumo. Se nada disso for suficiente para ter respeito pelo Rio de Janeiro, só vai restar ao governo Temer ter a coragem de fazer a intervenção, porque o Rio não pode ficar nesse descontrole na área da segurança e da saúde, ou nós vamos fazer o impedimento”, afirmou o presidente da Alerj.
Ao apresentador Edmilson Ávila, o governador Luiz Fernando Pezão disse, por meio de mensagem, que não vai comentar as declarações de Picciani. “Não vou comentar a opinião dele, é um presidente de um poder e eu respeito. Estou dedicado a fechar um último ponto que falta para fechar o maior acordo de um ajuste na União, e falta muito pouco”, diz a mensagem.
Procurada pelo G1, a assessoria de imprensa do Palácio Guanabara disse que não vai se manifestar a respeito das declarações do presidente da Alerj.
Por volta das 13h, Pezão estava reunido com representantes do Movimento Unificado dos Servidores do Estado (Muspe), mas deixou a reunião sem falar com a imprensa. O deputado Edson Albertassi, líder do governo na Alerj, estava presente na reunião, mas também não mencionou a fala de Picciani.

FONTE: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/pezao-afirmou-em-reuniao-que-talvez-nao-chegue-ao-fim-do-mandato-diz-lider-de-movimento-de-servidores.ghtml

Compartilhe