Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Presidente da Alerj diz que está otimista para aprovação de novo pacote

Picciani admite que medidas imporão sacrifícios, mas ressalta que acordo com governo federal é grande oportunidade para colocar salários do funcionalismo em dia.

Em entrevista ao RJTV, o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), afirmou que está otimista numa aprovação mais fácil para o novo pacote de medidas do governo do Estado na assembleia. O pacote faz parte da negociação do governo do estado com a União para tentar sair da grave crise financeira, que prejudica o pagamento aos servidores. O parlamentar explicou que o acordo de ajuda financeira da União para o Rio prevê que o estado aprove medidas como o aumento da contribuição previdenciária.
Picciani admite que o pacote atual também representa “alguns sacrifícios” à população e aos servidores, mas afirma que isso acontece em escala menor que o pacote anterior, votado no fim do ano passado – na ocasião, a maioria das medidas proposta foi mandada de volta para o governo ou derrubada na Alerj.
O presidente da Alerj afirma que já negocia com lideranças da casa para tentar aprovar o novo pacote, e defendeu as medidas. “Se a gente quiser procurar um culpado, eu mesmo já fiz várias críticas ao governo. Só que isso não está mais funcionando. Precisamos encontrar uma solução madura e esse plano de recuperação fiscal que o Governo Federal com o apoio do Supremo nos oferece é muito positivo para o Rio de Janeiro”, afirma ele.
Pelo acerto com o governo federal, estima-se que o estado deixaria de pagar R$ 23 bilhões em dívidas ao longo de três anos.
Picciani explicou as contrapartidas que serão dadas pelo governo do Estado ao governo federal. “Teremos que colocar as ações da Cedae à disposição do governo federal para federalização. Certamente vai entrar no programa nacional de privatizações, vai levar 2, 3, 4 anos [para privatizar]. Inicialmente, sai de estatal estadual para estatal federal. Vamos receber mais recursos por isso”, garantiu. “[O aumento da alíquota da] previdência de 11% para 14% vários estados já fizeram. E também essa taxa extra de 6%, cobrada dos aposentados, e de 8% para o servidor ativo”, acrescenta.
O deputado ainda garantiu que o pacote traria alívio imediato, inclusive para os servidores do Rio. “Estou conversando com os presidentes dos partidos de forma institucional, mostrando a importância disso para o estado. Por que esse programa tem uma diferença muito grande daquele pacote. Esse já nos dá o dinheiro para pagar 6 meses de salários atrasados e para com os arrestos, os bloqueios, imediatamente”, defende.
“Para isso tem que ser feitos alguns ajustes e sacrificios. mas nada como aquele dito pacote da maldade, em que se pretendia sair de uma aliquota previdenciária de 0% para 30 % para aposentados e pensionistas. Agora, esse pacote de recuperação fiscal propõe aliquota de 6% para aposentados e pensionistas, por 2 ou 3 anos, e de 8% para o pessoal da ativa”, pondera o deputado, acrescentando que as medidas de ajuste já vigoram em outras unidades da federação.
Picciani ressalta que o atraso no pagamento dos salários e pensões tem custo maior para os servidores que o possível aumento no desconto para a previdência: “Se você considerar que hoje estão recebendo ainda o mês de novembro em parcelas, não receberam dezembro nem 13º, o custo financeiro é mais do que esses 6 ou 8%, então, é uma grande oportunidade”.

Pedido de impeachment será analisado

Picciani também comentou o pedido de impeachment de Pezão, protocolado pelo Movimento Unificado dos Servidores Públicos do Estado (Muspe) na última semana. “Não vou entrar no mérito, até porque vai caber a mim analisar. Mas acho que está fora de hora. Acho que é hora de tentar recuperar o estado”, afirmou.

Reação de deputados

Deputados criticam falta de diálogo do governo sobre o novo pacote
Apesar do otimismo de Picciani, alguns deputados ouvidos pelo RJTV fizeram críticas às novas medidas. “A gente acha que o governo federal tem que ajudar, mas não com esse tipo de imposição. A gente acha que tem que haver muito mais transparência e negociação”, diz Luiz Martins (PDT).
“Esse pacote novo não é novo e mais uma vez repete os erros. Não tem diálogo com os deputados, não tem diálogo com os servidores, não tem diálogo com a população. É de cima para baixo”, critica Marcelo Freixo (PSOL).
“Na minha visão, o governo do estado está cometendo o mesmo erro na condução do primeiro pacote. Prepara tudo a portas fechadas, não dialoga com a sociedade nem com o parlamento e de repente vem aqui e descarrega um monte de medidas que têm que ser votadas em toque de caixa”, afirma Carlos Roberto Osório (PMDB).

FONTE: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/presidente-da-alerj-diz-que-esta-otimista-para-aprovacao-de-novo-pacote-financeiro.ghtml

Compartilhe