Skip to content

RÉU DIZ QUE MORTE DE PATRÍCIA ACIOLI FOI TRAMADA APÓS PRISÃO DE PMS

O cabo da Polícia Militar Sérgio Costa Júnior, primeiro réu do julgamento da morte da juíza Patrícia Acioli, ocorrida em agosto de 2011, disse que o assassinato da magistrada foi tramado após a prisão dele e de mais três policiais que faziam parte do Grupo de Ações Táticas (GAT) do 7º Batalhão da PM, em São Gonçalo. O julgamento ocorre na 3ª Vara Criminal de Niterói, na região metropolitana da capital fluminense.

Em junho de 2011, o cabo e outros policiais militares (PMs) participaram de uma ação no Morro do Salgueiro, em São Gonçalo, que resultou na morte de Diego Belini. O crime foi registrado pelos policiais como auto de resistência, ou seja, morto ao enfrentar os PMs. A juíza, porém, decretou a prisão de todos os envolvidos no episódio, considerando que houve execução.

Sérgio Costa Júnior disse que estava na viatura, quando ocorreu o confronto, e que não participou da morte de Belini. Mas, por ter sido preso por ordem da magistrada, o “episódio lhe causou desconforto e insatisfação”.

Segundo o policial militar, foi o tenente Daniel Benitez quem apresentou a ideia de matar a juíza, e que nem todos os integrantes do grupo concordaram. Segundo ele, inicialmente “Benitez pensava em contratar alguns milicianos para executar o plano, mas como não obteve sucesso, sugeriu que a própria equipe matasse [a magistrada]”.

Em seu relato sobre o crime, o cabo declarou que no dia da execução de Patrícia Aciolio, Benitez e ele seguiram, de moto, a magistrada desde a saída do fórum, e “quando se certificaram que ela estava indo para casa, ultrapassaram o carro da juíza, e a aguardaram a cerca de 50 metros do portão da residência, em Niterói. “Depois descemos e ficamos esperando a juíza próximo à entrada da casa”.

Segundo o policial, foram cerca de 15 tiros na direção do carro, porque eles não tinham a visão do interior do veículo devido aos vidros escuros. Sérgio da Costa Júnior foi o único dos réus a fazer acordo na Justiça para receber o benefício da delação premiada. (informações da Agência Brasil)

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

NOTA DE PESAR

Com enorme tristeza, comunicamos o falecimento de Maria Auxiliadora Rio Doce. Maria trabalhava como escrevente juramentada no 18º oficio de notas. O velório será neste

NOTA DE PESAR

Com enorme tristeza, comunicamos o falecimento da nossa colega Mônica Vasconcellos Santos, que era lotada na comarca de Niterói. O velório e o sepultamento serão