Skip to content

Sindjustiça-RJ repudia o covarde assassinato da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, do TJ-RJ

A juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, foi brutalmente assassinada pelo ex-marido, o engenheiro Paulo José Arronenzi, em frente às três filhas do casal, no último dia 24 de dezembro. A vítima morreu após 16 cortes e perfurações à faca, sendo 10 no rosto, segundo laudo do Instituto Médico Legal do Rio (IML). O assassino foi preso em flagrante e, logo depois, levado à Divisão de Homicídios (DH).

Viviane integrava a Magistratura do Estado do Rio de Janeiro há 15 anos. Trabalhava na 24ª Vara Cível da Capital. Anteriormente, atuou na 16ª Vara de Fazenda Pública. O Sindjustiça-RJ coloca-se em solidariedade à família e aos amigos, lamentando veementemente o terrível episódio. Além disso, afirma que o feminicídio é absolutamente inaceitável e reflete uma sociedade marcada ainda pela violência de gênero. É preciso que todas as providências sejam tomadas perante à Justiça e que o feminicida pague pelo crime, assim como tantos outros crimes contra as mulheres que são cometidos em nosso país.

O Brasil registra um caso de feminicídio a cada 7 horas, segundo levantamento feito pelo G1 com base nos dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal. Isso significa que, por dia, em média, três mulheres são assassinadas em nosso país. Além dos altos índices de homicídio de mulheres, existem ainda muitos casos de estupro e lesão corporal gerada por violência doméstica. É por isso que casos como o da juíza Viviane não podem cair no esquecimento e uma entidade sindical como o Sindjustiça-RJ se posiciona a favor do enfrentamento desta terrível realidade.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

DIA DO ADVOGADO – 11/AGO

Não basta ter conhecimento jurídico, ser competente, pontual ou ter boa oratória… sempre haverá pedras no caminho, que fariam pessoas comuns desistirem ou repensarem as

NOTA DE PESAR

Infelizmente, faleceu hoje o nosso querido funcionário Marco Paulo Feitosa, que atuava no setor de arquivo do Sind-Justiça. Era um dos funcionários mais antigos do

X