Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

BRASILEIRO É CONTRA RETIRADA DE DIREITOS NA PREVIDÊNCIA

A população brasileira é contrária à redução de direitos aos beneficiários da Previdência Social. É o que revela, entre outras coisas, pesquisa divulgada na primeira semana do ano pelo instituto Vox Populi, em parceria com a revista Carta Capital e a TV Band.
O aumento da idade mínima para se aposentar para 67 anos, uma das propostas discutidas dentro do governo, é rejeitada 85% da população. Somente 11% se posicionaram a favor. 4% não souberam ou não responderam.

A desvinculação dos reajustes concedidos ao salário mínimo e às aposentadorias também foi reprovada por 84% dos entrevistados, 10% aprovaram a desvinculação e 6% não souberam ou não responder a esta questão.

A desvinculação já é uma prática utilizada pelos últimos governos, principalmente os de Lula e FHC. Foi aprovada na gestão de Collor e consiste em conceder reajustes diferenciados ao salário mínimo e aos benefícios do INSS. Essa desvinculação tem provocado perdas que chegam a 80% a aposentados e pensionistas.

Com a sua proposta de reforma da Previdência, Lula quer aprofundar o mecanismo que arrocha os aposentados. Ele quer acabar com o piso dos benefícios, que é de um salário mínimo. Assim, depois da reforma, os benefícios de aposentados e pensionistas poderiam ser menores do que o salário mínimo.

Um dado é interessante nesta pesquisa: 62% da população acham a reforma da Previdência “necessária e urgente”, segundo classificação feita na consulta. Mas a reforma que a população quer, segundo texto da edição 477 da Carta Capital, é uma que “avance no volume e na qualidade da cobertura”. A revista ainda ressaltou os números dos que se opõem ao aumento da idade mínima e à desvinculação do salário mínimo.

A pesquisa foi realizada entre os dias 11 e 13 de dezembro de 2007. Foram ouvidas duas mil pessoas, em 121 municípios, distribuídas proporcionalmente entre as regiões Centro-Oeste/Norte, Nordeste, Sul e Sudeste. A margem de erro é 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa ainda abordou a opinião dos brasileiros sobre outras reformas como a política, tributária e sindical.

Fonte: Conlutas

Compartilhe