Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

CABRAL DIZ TER CERTEZA DE QUE DILMA VETARÁ PROJETO QUE REDISTRIBUI ROYALTIES DO PETRÓLEO

O governador do Rio, Sérgio Cabral, disse ontem (10) ter certeza de que a presidenta Dilma Rousseff vetará o projeto que redistribui os royalties do petróleo, aprovado no Senado e que tramita na Câmara dos Deputados. Cabral participou, juntamente com outras lideranças políticas, de uma passeata que reuniu milhares de pessoas, no centro do Rio, contra a perda de arrecadação do estado e de municípios produtores, que poderá chegar a R$ 3,3 bilhões em 2012 caso o projeto seja aprovado como está.

“Eu tenho certeza de que a presidenta Dilma, caso essa situação estapafúrdia permaneça e seja aprovada no Congresso Nacional, vai vetar. Porque ela é uma democrata, não vai permitir o linchamento de um estado brasileiro e sabe que esse é um precedente muito perigoso. É uma mulher serena, sensível e sabe que isso abre uma brecha de violação de direitos muito grave”, disse Cabral, em entrevista coletiva.

O governador disse estar confiante no trabalho dos parlamentares que, segundo previu, entenderão a situação do Rio de Janeiro na hora de analisar o projeto de distribuição dos royalties da exploração do petróleo. Cabral lembrou que outros estados também têm vantagens tributárias próprias. “Nós não queremos discutir nada que já esteja contratado e que seja de direito dos demais estados da Federação. O Rio de Janeiro é um estado essencialmente democrático. Só que nós não vamos aceitar que peguem recursos do nosso povo. Não vamos aceitar que avancem sobre receitas já garantidas”.

O manifesto que tomou conta de ruas do centro da cidade foi organizado pelo governo estadual e por prefeituras de municípios produtores de petróleo, que liberaram os funcionários e garantiram transporte de graça. O ato teve por objetivo sensibilizar parlamentares pela modificação do projeto na Câmara. Caso seja aprovado como está, os manifestantes têm a esperança de que a presidenta Dilma Rousseff vete o projeto. (informações da Agência Brasil)

Compartilhe