Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Cabral recebeu mais de R$ 122 milhões de propina da cúpula dos transportes

Já Rogério Onofre, ex-presidente do Detro, recebeu R$ 44,1 milhões em propinas pagas pelas empresas de ônibus

Rio – A investigação da força-tarefa da Lava Jato no Rio, que deu início a operação “Ponto Final”, da Polícia federal (PF) e do Ministério Público Federal (PMF), nesta segunda-feira, aponta que o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, recebeu R$ 122,8 milhões de propina da cúpula dos transportes no Rio de Janeiro, entre 2010 e 2016, de um total de R$ 260 milhões. Rogério Onofre, ex-presidente do Detro que foi preso hoje em Florianópolis, Santa Catarina, recebeu R$ 44,1 milhões em propinas pagas pelas empresas. As ações são desdobramentos das operações Calicute — que prendeu o ex-governador — e Eficiência.

Outro preso nesta manhã foi Lélis Teixeira, presidente da Fetranspor (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro), em seu apartamento na Lagoa, Zona Sul. No total, são nove mandados de prisão preventiva, três de prisão temporária, e 30 de busca e aprensão. Já Jacob Barata Filho, empresário do ramo de transportes, foi preso na noite deste domingo quando embarcava para Portugal.

Marcelo Traça Gonçalves, presidente do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (SETERJ), foi preso pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em uma abordagem na Dutra, em Barra Mansa. Ele estava em um I/Mini Cooper, de cor preta, com acompanhado do filho.

As investigações contaram com depoimentos prestados através da delação premiada de Jonas Lopes, ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE) e do doleiro Álvaro José Galliez Novis, este último contratado por José Carlos Lavouras, conselheiro da Fetranspor e sócio-administrador da Viação Flores, para recolher, guardar e distribuir a propina. Ela detalha como o dinheiro da propina em espécie era conduzido através de contas abertas por Novis em transportadoras de valores, como Transegur (hoje Prosegur) e Trans Expert, para a posterior distribuição a políticos e agentes públicos. O valor em propinas pago chega a R$ 260 milhões, mas o MPF disse que a quantia é maior, já que alguns beneficiários gozam de foro privilegiado e não tiveram os nomes divulgados.

Através de documentos e planilhas, foram identificadas estrutura montada pelas empresas de ônibus e Fetranspor para obter vantagens indevidas com tarifas e nos contratos públicos firmados. Segundo o doleiros, as ordens para pagar e quem receberia a propina eram dadas por Lavouras.

Na delação de Novis, os investigadores descobriram quatro contas destinadas para o pagamento de propina ao ex-governador que recebiam os seguintes nomes: Verde/SMS, Abacate, Super e CM (que significava Carlos Miranda).

“Que os pagamentos feitos a Carlos Miranda eram destinados ao ex-governador Sérgio Cabral; Que as entregas feitas a Carlos Miranda se davam da seguinte forma: Miranda entrava em contato com José Carlos Lavouras, indicando, indicando o endereço da entrega; Que, então, Lavouras indicava ao colaborador o local onde deveria ser entregue o recurso; Que os pagamentos para Sergio Cabral via Carlos Miranda se iniciaram no período em que Sérgio Cabral Cabral encontrava-se da Alerj”, diz o processo, apontando que a propina começou quando o Cabral ainda era deputado estadual.

Luiz Carlos Bezerra, operador financeiro de Sérgio Cabral, disse também em sua delação aos investigadores que recolhia propina na sede da empresa Flores em São João de Meriti, que tem como sócio-administrador o empresário José Carlos Reis Lavouras — sócio também de mais 13 empresas ligadas ao ramo de transporte.

Bezerra falou que os codinomes como “Jardim”, Flowers” e “Garden” constantes de anotações de contabilidade feitas em agendas, apreendidas durante a deflagração da Operação Calicute, em novembro de 2016, eram referentes à Companhia Viação Flores. Lavouras também figura como membro do Conselho de Administração da Riopar Participações SA (Bilhete Único e Riocard) junto com o empresário Jacob Barata Filho (que é o presidente) e Lélis Marcos Teixeira (secretário da mesa apuradora).

O MPF disse que o esquema de corrupção era organizado a partir de quatro núcleos básicos: núcleo econômico, formado pelos executivos das empresas organizadas em cartel; o núcleo administrativo, composto por gestores públicos do governo do Estado, os quais solicitaram/receberam propinas; núcleo operacional cuja principal função era promover a lavagem de dinheiro desviado; e núcleo político, integrado pelo líder da organização Sérgio Cabral.

Jacob Barata Filho preso quando embarcava para Portugal

A operação desta segunda-feira foi antecipada por conta da prisão do empresário Jacob Barata Filho, na noite deste domingo. Ele, que é herdeiro de Jacob Barata, empresário conhecido como o “Rei dos Ônibus” no Rio, estava na sala de embarque do Aeroporto Tom Jobim, onde se preparava para embarcar para Portugal.

A assessoria de imprensa do empresário informou que Jacob Barata Filho faria uma viagem de rotina para Portugal, “onde possui negócios há décadas e para onde faz viagens mensais. A defesa do empresário irá se pronunciar assim que tiver acesso aos autos do processo”.

Já a Federação de Transporte de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) disse que colabora com as autoridades policiais e está à disposição da Justiça para os esclarecimentos necessários.

OS ALVOS DA OPERAÇÃO PONTO FINAL

PRISAO PREVENTIVA

Lélis Marcos Teixeira, presidente da Fetranspor; PRESO

– José Carlos Reis Lavouras, conselheiro da Fetranspor e sócio-administrador da Viação Flores;

– Jacob Barata Filho, empresário do ramo de transportes, que é sócio em mais de 25 empresas; PRESO

Rogério Onofre de Oliveira, ex-presidente do Departamento de Transportes Rodoviários do Rio (Detro); PRESO

– Marcelo Traça Gonçalves, presidente do Sindicato das Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Rio de Janeiro (Setrerj), vice-presidente do conselho de administração da Fetranspor, dono das empresas Rio Ita e Fagundes; PRESO

– Cláudio Sá Garcia de Freitas, operador que recebia o dinheiro destinado a Rogério Onofre;

– Márcio Marques Pereira Miranda, funcionário da Prosegur;

– David Augusto da Câmara Sampaio, policial civil, apontado como dono da Trans Expert.

PRISÃO TEMPORÁRIA

– Carlos Roberto Alves, gerente financeiro da Fetranspor;

– Eneas da Silva Bueno, diretor financeiro da Rio Ônibus;

– Octacílio de Almeida Monteiro, vice-presidente da Rio Ônibus;

– João Augusto Morais Monteiro, presidente do Conselho Superior da Rio Ônibus;

– Regina de Fátima Pinto Antonio, secretária de José Carlos Lavouras;

– Eni da Silva Gulineli, secretária de José Carlos Lavouras e funcionária da Viação Flores;

– Francisca da Silva Medeiros, secretária de Jacob Barata Filho;

– Claudia da Silva Souza Ferreira, chefe do financeiro da Viação Rio Ita.

Compartilhe