Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

CONLUTAS SOLICITA APOIO AOS GREVISTAS DO TJSP

Como parte da campanha de solidariedade com as categorias em luta, a Conlutas solicita que todos os que apóiam a greve dos servidores do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) encaminhem, com urgência, moções neste sentido.

As moções devem ser enviadas os seguintes e-mails: presidenciatj@tj.sp.gov.br, assessoria_vicepresidencia@tj.sp.gov.br, lilianpaula@tj.sp.gov.br (Secretaria de RH do Governo do Estado de São Paulo). Favor enviar com cópia para conlutas-sp@conlutas.org.br.

Abaixo, segue o modelo de moção:

MOÇÃO DE APOIO E SOLIDARIEDADE AOS TRABALHADORES DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Com quase duas datas-base vencidas (2009 e 2010) e sem mesa de negociação, Os trabalhadores do Judiciário do Estado de São Paulo, paralisaram suas atividades há mais de 60 dias, onde reivindicam 20,16%.

No dia 25 de junho, através do site da Prodesp, os trabalhadores verificaram que haverá descontos previstos para o próximo pagamento em 06/07 nos seus holerites, de 10 dias relativos ao mês de maio, além do desconto dos auxílios transporte e alimentação integrais. Trata-se de mais uma medida da direção do TJ, que não negocia, punindo os funcionários que participam do movimento e de tentar coibir o direito de greve.

A postura do presidente do Tribunal, desembargador Antônio Carlos Viana Santos, e do governo Serra/Alberto Goldman, tem sido intransigente, pelo fato de não apresentarem nenhuma contraproposta séria para o comando de greve. O que demonstra que priorizam a magistratura em detrimento aos seus funcionários e suas reivindicações.

O ataque aos servidores públicos é global, os funcionários do Judiciário Federal têm sofrido retaliações, como desconto dos dias parados, Lula utiliza a grande imprensa para fazer ameaças tentando de todas as formas tornar ilegítimo o direito de greve dos servidores.

Diante deste posicionamento arbitrário e da falta de negociação de ambos os governos exigimos:
– Imediata abertura de negociação;
– Atendimento das reivindicações;
– Contra a terceirização, sucateamento e privatização dos serviços públicos;
– Em defesa de um serviço público gratuito e de qualidade;
– Contra qualquer tipo de retaliação, punição e reversão dos descontos já efetuados;
– Contra o congelamento salarial,
– Em defesa do pleno direito de greve.

Compartilhe