Skip to content

Governo do Rio abriu mão de R$ 8,8 bilhões em isenções em 2016

A polêmica sobre o governo estadual abrir mão de R$ 650 milhões em impostos para a criação de uma fábrica da Ambev na Zona Oeste não é a única renúncia fiscal do governo. Em 2016, foram concedidos R$ 8,815 bilhões, segundo a Secretaria Estadual de Fazenda.
Esse valor é quatro vezes maior do que os R$ 2,058 bilhões acumulados de pendências do Estado com os servidores no período de outubro de 2015 a janeiro de 2017, na soma das dívidas sobre o salário de janeiro, o 13º de 2016, e bonificações como o RAS e metas alcançadas do funcionalismo público, de acordo com um levantamento feito pelo EXTRA em março deste ano.
De acordo com a Secretaria de Fazenda, o relatório sobre a contrapartida — ou seja, o balanço de benefícios, como geração de empregos e recolhimentos de outros impostos — decorrentes dessa renúncia de R$ 8,815 bilhões para empresas ainda está sendo finalizado. Segundo a pasta, este detalhamento será divulgado tão logo seja consolidado.
Como o governo pediu que o Projeto de Lei que abre mão de R$ 650 milhões em Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em favor da Ambev tramite em regime de urgência, o texto poderá entrarem discussão na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj) já na sessão da próxima terça-feira. A isenção é para que a fabricante de bebidas construa uma nova fábrica da empresa em Santa Cruz, na Zona Oeste do Rio, para a produção de garrafas de vidro e latas de alumínio.

Com isenção fiscal, cada emprego na Ambev valerá R$ 3,2 milhões

Autor da Lei 7495/16, o deputado Luiz Paulo (PSDB) lembra que o texto aprovado em dezembro do ano passado impede o Governo de conceder novos incentivos e benefícios fiscais de natureza tributária a empresas sediadas ou que venham a se instalar no estado do Rio pelo período de dois anos.
— O governo tem que obedecer à lei e fazer uma audiência pública.
Na quinta-feira, o parlamentar procurou outros deputados da Alerj para lembrá-los sobre a importância da audiência pública, que ficou marcada para às 10h, do dia 19.
No entanto, o governo afirma que não há obrigatoriedade de audiência pública, já que o projeto de incentivo financeiro, pleiteado pela Ambev SA, enquadra-se no artigo 2 da lei 7495, de 05/12/16, que não prevê a realização da referida audiência.
Na justificativa do projeto, o governo diz que o incentivo fiscal à empresa teria como contrapartida a criação de 200 empregos diretos e indiretos. Na quarta, o governador Luiz Fernando Pezão disse ao EXTRA que é importante abrir mão do imposto para ganhar em outras taxas.
— Ou abrimos mão (do ICMS) ou a fábrica vai para o México. É melhor recolher imposto sobre alguma coisa do que não ter nada. Além disso, os empregados com seus salários gastarão no mercado, na farmácia e em todos os setores.
Caso o Projeto de Lei seja aprovado, a Ambev não pagará imediatamente o ICMS incremental para pagar o imposto no futuro, de acordo com prazo a ser definido no contrato. Procurada, a Ambev confirma que planeja construir uma fábrica de latas e garrafas de alumínio no Rio de Janeiro, o que representa um investimento de R$ 650 milhões, e uma geração de aproximadamente 1.000 empregos diretos e indiretos, inclusive durante a fase de construção.
A realização do investimento garantirá uma arrecadação adicional de ICMS pela Ambev para estado do Rio de Janeiro de R$ 100 milhões, já na vigência do benefício fiscal pleiteado. A Ambev respeita e aguarda a manifestação do legislativo e do judiciário do Rio, a fim de definir o andamento da construção da fábrica.

Servidores contestam nova isenção

A notícia de que o governo quer abrir mão de impostos em meio a crise, não agradou os servidores, que estão sem previsão de receber os salários de fevereiro. O Presidente da Federação das Associações e Sindicatos dos Servidores Públicos do Estado (Fasp-RJ), Álvaro Barbosa, criticou a medida:
— Em um momento desse, ele tinha que fazer o contrário, pagar o que a empresa deve por esses anos todos de isenções. A Ambev, joalherias, comércio e indústria e todos que devem dinheiro ao governo e, por leis antigas, não pagaram deveriam ser obrigados a pagar agora. Era necessário fazer com que eles pagassem o ICMS, com isso, os servidores receberiam em dia.
Coordenadora geral do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ), Marta Moraes, também se revoltou com a proposta.
— De novo ele está abrindo mão. Isso é um absurdo. A gente vem denunciando que o Rio chegou ao estado que está por essa falta de administração e as isenções fiscais. Como um governador que está com processo de impeachment pode fazer isso, enquanto os aposentados estão morrendo sem condições de comprar remédios e os servidores com salários parcelados? Como ele faz isso com as pessoas morrendo nas filas dos hospitais? É revoltante. Vamos cobrar que a Alerj não aprove essa medida. A gente espera que aos deputados não aprovem uma loucura dessa que só penaliza a população.
O Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (MUSPE) afirmou, em nota, que é radicalmente contra a política de isenção fiscal, em especial do ramo de bebidas, pois não se trata de algo essencial à existência humana. “O governo, que já está há 65 dias sem pagar os salários de servidores, aposentados e pensionistas, devendo também o 13º de 2016, fala em conceder isenção fiscal, abrindo mão de receber impostos e, com isso, amenizar a situação caótica em que o Estado se encontra. As demasiadas isenções fiscais, muitas em caráter suspeito, ajudaram a mergulhar o Estado do Rio na pior crise financeira da história. Essa política de isenções, adotada por esse Governo que se colocou desde 2007 (Sergio Cabral) é, no mínimo suspeita. Pezão reproduz o mesmo comportamento e o mesmo discurso de um ex-governador que ajudou a quebrar o Estado”.

FONTE: http://extra.globo.com/noticias/economia/governo-do-rio-abriu-mao-de-88-bilhoes-em-isencoes-em-2016-21175389.html

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

DIA DO ADVOGADO – 11/AGO

Não basta ter conhecimento jurídico, ser competente, pontual ou ter boa oratória… sempre haverá pedras no caminho, que fariam pessoas comuns desistirem ou repensarem as

NOTA DE PESAR

Infelizmente, faleceu hoje o nosso querido funcionário Marco Paulo Feitosa, que atuava no setor de arquivo do Sind-Justiça. Era um dos funcionários mais antigos do

X