Skip to content

JUSTIÇA ESTADUAL GASTOU R$ 21 BILHÕES NO ANO PASSADO

O Judiciário brasileiro gastou R$ 37,3 bilhões no ano passado, um crescimento de 8% em relação a 2008. A esfera estadual respondeu por 56% desse valor (ou R$ 21 bilhões), segundo o relatório Justiça em Números, divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Juntos, os seis maiores Tribunais de Justiça (TJs) do país — São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Bahia — geraram R$ 13,1 bilhões em despesas.

Os gastos com pessoal abocanharam grande parte do orçamento da Justiça Estadual. No ano passado, foram desembolsados R$ 18,8 bilhões, o que representa 89,3% da despesa total. Em todo o país, havia no fim do ano passado 11.393 magistrados — seis a cada mil habitantes — e 227.494 servidores.

O tamanho da Justiça Estadual é justificado pelo grande volume de demandas. As Cortes estaduais receberam 74% do total de processos que entraram no Judiciário no ano passado. Foram 18,7 milhões de ações. Os tribunais de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Bahia receberam 69% dos casos novos.

No total, ingressaram 25,5 milhões de processos no Judiciário – crescimento de apenas 0,5% em relação ao ano anterior. Tramitaram cerca de 86,6 milhões de ações — caso novos e pendentes —, o que representa aumento de 19,5% em relação a 2008. A taxa de congestionamento média foi de 71%, percentual que se mantém estável desde 2004. De cada cem processos em tramitação, apenas 29 foram solucionados até o fim do ano passado. No mesmo período, a Justiça arrecadou R$ 19,3 bilhões. (informações do Valor Econômico)

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

DIA DO ADVOGADO – 11/AGO

Não basta ter conhecimento jurídico, ser competente, pontual ou ter boa oratória… sempre haverá pedras no caminho, que fariam pessoas comuns desistirem ou repensarem as

NOTA DE PESAR

Infelizmente, faleceu hoje o nosso querido funcionário Marco Paulo Feitosa, que atuava no setor de arquivo do Sind-Justiça. Era um dos funcionários mais antigos do

X