Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Manifestantes mantêm protesto no Rio mesmo sem votações na Alerj

Efetivo de policiais em torno da Alerj já é o maior visto desde o início dos protestos, mesmo com poucos manifestantes

Rio – A presença de servidores do Estado no entorno da Assembleia Legislativado Rio (Alerj) ainda é pequena na manhã desta segunda-feira, 12, mas o aparato policial destacado para acompanhar a manifestação do funcionalismo é o maior já visto, desde que começaram os protestos contra o pacote de medidas anticrise do governo do Rio. O texto começou a ser discutido na Casa há cerca de um mês.
Foram montadas quatro barreiras de cerca de 50 policiais militares cada para isolar o trecho da Avenida Presidente Antonio Carlos, em frente à Alerj: uma na Rua da Assembleia, uma junto à Praça XV, uma próxima ao Tribunal Justiça do Rio e outra na Rua São José.
Os policiais portam escudos e chegaram antes mesmo do servidores. Eles também revistam bolsas e mochilas de manifestantes para verificar se portam material explosivo.
Foram destacados policiais no entorno da Igreja de São José, da qual na última terça-feira, dia 6, policiais atiraram balas de borracha nos manifestantes. O confronto durou cinco horas e se estendeu pelas ruas do centro.
Alguma lojas instalaram tapumes em suas fachadas para evitar depredações, como foi feito nas manifestações de 2013 e nos dias de carnaval de rua, no centro. Outras lojas optaram por fechar as portas.
A mobilização deve crescer ao longo do dia. “Estão vindo caravanas de municípios do Rio e de bairros da capital. Tem gente com medo do confronto. A guerra não é boa para ninguém, só para o governo que quer nos desmobilizar”, disse o subtenente dos bombeiros, Valdelei Duarte, diretor do movimento SOS Bombeiros. Outra categoria que já está na concentração é a da educação.
Não há votações previstas para esta segunda-feira na Alerj. O presidente da Casa Jorge Picciani (PMDB) alterou o calendário de votações na sexta-feira, 9, alegando haver necessidade de mais tempo para que as propostas do pacote fossem negociadas.
Ainda sim, o Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (MUSPE), informou, tão logo foi tomada a decisão, que não trocaria a data do protesto de hoje, anunciado como o maior de todos, desde o começo de novembro.
Nesta terça-feira, 13, será votado o projeto que aumenta o ICMS sobre produtos como bebidas e gasolina. Na quarta-feira, é que serão as votações que mais preocupam os servidores, como a que aumenta a contribuição previdenciária de ativos, inativos e pensionistas de 11% para 14% e a que congela salários até 2020.
O pacote enviado pelo governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) tem como objetivo tirar o Rio da crise fiscal. O déficit atual, segundo o governo, é de R$ 17,5 bilhões.

FONTE: http://exame.abril.com.br/brasil/manifestantes-mantem-protesto-no-rio-mesmo-sem-votacoes-na-alerj/

Compartilhe