Skip to content

Ministro Guedes, parasita é quem nada produz

“A isenção de impostos ao empresariado não pesa. A sonegação dos mesmos também não é o problema. Os gastos infundados com apadrinhados políticos não fazem diferença no orçamento federal”. Este parece ser o pensamento do ministro da economia Paulo Guedes. Para ele, o grande problema econômico do Brasil são os funcionários concursados, que ele chamou de “parasitas” do dinheiro público. A declaração foi dada durante uma palestra na Escola Brasileira de Economia e Finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV), na última sexta-feira (7), e motivou moções de repúdio de todas as categorias do funcionalismo público.

O Sindjustiça-RJ, igualmente, repudia as colocações do ministro. Elas reforçam a divulgação de informações falsas à sociedade, uma rotina no atual governo.

Certamente, ele não conhece a realidade dos servidores. Não conhece uma rotina marcada pela falta de infraestrutura, pelo crescente assédio moral, pela desvalorização constante. Não sabe o que é ficar cinco anos sem reposição salarial, vendo a qualidade de vida da própria família reduzir drasticamente.

Ainda assim, o ministro afronta o funcionalismo, visando colocar o cidadão contra o servidor, no intuito de justificar a aplicação de um projeto político que tem como foco principal a redução drástica do papel do Estado.

Com isso, ele busca deslegitimar a obrigação do Estado com a população, fazendo-a acreditar que o trabalho público é oneroso e falho. E que os servidores são desonestos e aproveitadores.

O comentário do ministro é a prova inegável e indelével do pensamento que permeia o Governo Federal. E de suas intenções.

Senhor ministro, parasitas são aqueles que se instalam no poder às custas do trabalhador. Parasitas são aqueles que vivem de um sistema financeiro e do rentismo que nada produz, não gera riquezas e nem desenvolvimento econômico e social para o país. Parasitas são aqueles que fraudam fundos de pensão em centenas de milhões de reais, colocando o futuro de milhares de pessoas em risco.

O senhor conhece isso muito de perto.

Oneroso, Paulo Guedes, é destinar a maior parte dos nossos impostos a pagar altos salários a pessoas incapazes de exercer a sua função com primazia e equilíbrio; incapazes de representar os anseios da população.

Falho, ministro, é o ato de falar sem conhecimento, de imputar culpa sem provas, de disseminar mentiras para esconder os próprios erros (que são inúmeros). Falha é a maior autoridade econômica de um país se tornar o parasita ideológico de um governo que muito fala, mas pouco faz.

Menos discurso e mais ação. É assim que faremos um Brasil melhor. Com trabalho e dedicação ao serviço público; com garantia de direitos e respeito ao servidor, o verdadeiro responsável por movimentar nossa economia.

É assim que os serventuários do Judiciário estadual constroem um Rio de Janeiro e um Brasil melhores.

Resistiremos, repudiando!

Conselho de Delegados Sindicais do Sindjustiça-RJ

Diretoria do Sindjustiça-RJ

Fonte:Sindjustiça-RJ

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

NOTA DE PESAR

Comunicamos, com enorme tristeza, o falecimento da colega Priscilla Braga, ocorrido na manhã desta quinta, por complicações da Covid. Priscila estava lotada no Fórum da

VENDA DA LICENÇA TERMINA HOJE, 21

Termina hoje, 21 de maio, o prazo para venda da licença-prêmio! Por favor, compartilhem a informação e avisem aos colegas da serventia que estejam de

X