Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

MULHERES CONTINUAM SENDO DISCRIMINADAS NO MERCADO DE TRABALHO

Nos últimos setenta anos, um dos fatos marcantes da sociedade brasileira foi o aumento do número de mulheres no mercado de trabalho. Se em 1940 o contingente feminino na População Economicamente Ativa (PEA) era de 19%, em 2008, atingiu 47%, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Mas apesar do tempo e do aumento de mulheres no mercado, dados mostram que elas continuam sendo discriminadas.

Segundo uma pesquisa do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), as mulheres latino-americanas ganham em média 17% menos que eles para fazerem o mesmo trabalho. No Brasil, a situação é pior para as mulheres negras. O Ministério do Trabalho revelou que enquanto elas ganham em média R$ 790, o homem branco ultrapassa os R$ 1,6 mil.

Para a sindicalista Rosane da Silva, as mulheres, mesmo quando empregadas, são submetidas ao assédio. “Acontece muito o assédio sexual e moral. Hoje, o assédio moral é muito mais forte em nossas vidas, exatamente porque somos responsáveis pelo cuidado da família. [Por exemplo], temos que sair do nosso local de trabalho para levar o filho ao médico e sofremos toda uma pressão da empresa, que é o chamado assédio moral”, diz.

A integrante da Marcha Mundial das Mulheres, Bernadete Monteiro, falou sobre o que é preciso para ocorrem mudanças na vida das mulheres: “Denunciar que esse modelo econômico continua fazendo com que a mulher seja submetida às situações precárias de trabalho, de contrato salarial. [Além de] reivindicar algumas políticas públicas que possam ajudar a mulher trabalhadora também a conquistar mais sua autonomia econômica”. (informações da Radioagência NP)

Compartilhe