Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

PÉROLAS

“O descaso com a ocupação de áreas de risco, favelas ou lá que denominação se dê, hoje pode ser explicado pelo baixo lucro eleitoral de medidas preventivas e saneadoras. Se a explicação é atual, o descaso é mais que secular. Aceito como parte da vida brasileira, sem reação alguma, jamais. Não houve catástrofe que mudasse a aceitação, sempre fortalecida pelos sentimentos de classe”.
JÂNIO DE FREITAS (Folha de S. Paulo, 16/01/11)

“O secretário-geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, está propondo alterar o Código de Ética Pública. Argumenta que o preço máximo dos presentes recebíveis, R$ 100, é muito baixo”.
ILIMAR FRANCO (O Globo, 16/01/11)

“A tragédia desta semana na região serrana do Rio mostra como é preciso cumprir o Código Florestal, não enfraquecê-lo”.
CHICO ALENCAR, deputado federal (PSOL-RJ), sobre projeto que flexibiliza a legislação ambiental (Folha de S. Paulo, 16/01/11)

“A relação homem/cidade deixou de ser razoável quando entrou na história o automóvel. As cidades passaram a ser planejadas em função dele, cujas exigências conseguem ser ainda mais grosseiras e brutais que as do ser humano. Fizemos das cidades o nosso grande paradoxo: um cenário cujo conforto será maior quanto mais o ambiente for destruído”.
RUY CASTRO (Folha de S. Paulo, 17/01/11)

“Com venda recorde de 3,5 milhões de veículos novos em 2010, o país [Brasil] confirmou o inédito posto de quarto maior mercado mundial. Com isso, as filiais das montadoras ampliaram as contribuições aos negócios globais, ajudando a amenizar resultados negativos das empresas mães nos Estados Unidos e na Europa”.
SINDICATO DOS METALÚRGICOS DO ABC (17/01/11)

“Como se pode admitir uma votação da qual se participa com a pistola apontada para a testa, que ameaça os trabalhadores, em caso de um resultado desagradável à empresa, de eliminar o posto de trabalho, isto é, a fonte de sustento para eles e as suas famílias?”.
FELICE ROBERTO PIZZUTI, professor da Universidade “La Sapienza” de Roma, sobre referendo em Mirafiori que aprovou acordo entre a Fiat e seus trabalhadores (18/01/11)

Compartilhe