Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

PÉROLAS

“Os homicídios caíram 28%, no Rio, e o número de vítimas em situações violentas, porém indeterminadas, subiu 116%”.
ELIO GASPARI (Folha de S. Paulo, 23/10/11)

“[Esta]…massa impura e formidável de dois milhões de negros subitamente investidos das prerrogativas constitucionais (…) fazendo descer o nível da nacionalidade na mesma proporção da mescla operada”.
JÚLIO DE MESQUITA, criador do jornal O Estado de S.Paulo e um dos fundadores da USP, referindo-se aos escravos libertos pela Lei Àurea no livro “A Crise Nacional: Reflexões em torno de uma data” (1929)

“A população certamente não vai aceitar de bom grado essas medidas [de austeridade] e vai tentar fazer pressão. Vamos ver como vão reagir as forças de segurança quando tentarem utilizá-las para fazer a repressão. Depois espero que os militares tenham a vontade e a força suficiente para, como se passou no Egito, dizer não à repressão”.
VASCO LOURENÇO, coronel e um dos capitães que liderou a Revolução dos Cravos em 25 de Abril de 1974, derrubando a ditadura fascista (Rádio TSF, 22/10/11)

“Não queremos uma estrada para levar mendigos às cidades para pedir esmola, para abrir espaço para caminhões de alta tonelagem. Não estamos acostumados com isso. Vivemos da pesca, da caça, da coleta de frutas. E, quando isso ocorrer [a estrada], haverá devastação da terra, desmatamento, pirataria e uma zona muito perigosa de plantio de coca vai se expandir. Vocês brasileiros se queixam muito da cocaína que vem da Bolívia, mas isso é contraditório, porque querem seguir abrindo caminho para que a droga continue sendo produzida com maior facilidade”.
ADOLFO CHÁVEZ, presidente da Confederação dos Povos Indígenas da Bolívia, sobre rodovia financiada por capital brasileiro que ameaça atravessar território indígena (Valor, 26/10/11)

“Deus, para a felicidade do homem, inventou a fé e o amor. O Diabo, invejoso, fez o homem confundir fé com religião e amor com casamento”.
MACHADO DE ASSIS (1839-1909)

Compartilhe