Skip to content

PLENO DO TJRJ ADIA DECISÃO SOBRE ELEIÇÕES DIRETAS

De um total de 180, 132 desembargadores estavam presentes nesta segunda-feira (12/5) à sessão do Pleno do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro quando a presidente da corte, desembargadora Leila Mariano, anunciou que a votação que seria feita a seguir faria parte de um momento histórico do Judiciário fluminense. Em foco, a questão sobre se os juízes de primeira instância poderiam votar para eleger a direção do tribunal.

A previsão se confirmou em parte, pois os desembargadores decidiram, por 109 votos a favor e 24 contra, que as propostas envolvendo eleições para membros da administração do TJ-RJ deverão estar no Regimento Interno e não no Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro (Codjerj).

Dessa forma, os desembargadores evitaram que as questões eleitorais passem pelo crivo da Assembleia Legislativa do estado (Alerj), para onde o anteprojeto de Lei da Organização Judiciária seguirá, por ter força de lei. O Código atualmente em vigor é de 1975.

O Rio poderia se tornar o primeiro estado a aprovar a extensão do direito de voto aos juízes de 1º Grau, se a votação mais esperada não tivesse sido adiada. A espera, no entanto, não estragou a comemoração da Associação dos Magistrados do estado. No dia 31 de março, a Amaerj apresentou à presidência do tribunal um requerimento propondo que a democratização ocorresse por meio da alteração do Regimento Interno do tribunal. A ação, coordenada pela Associação dos Magistrados Brasileiros, foi acompanhada pelas Associações de Magistrados de todos os estados.

PASSO A PASSO — Dentre os seis quesitos excluídos do anteprojeto, os mais controversos são os que envolvem a definição dos elegíveis para os cargos de administração — se os 180 desembargadores, os 25 membros do Órgão Especial ou os cinco desembargadores mais antigos —; se haverá reeleição ou recondução ao cargo — desde que não seja para período consecutivo —; e, finalmente, se o direito de voto será ou não estendido aos juízes de 1º Grau do Poder Judiciário do Rio de Janeiro.

Agora, a Comissão de Regimento Interno terá 30 dias para reunir as propostas e abrir prazo para emendas. Só então será marcada a sessão de votação, no Pleno.

Para o presidente da Amaerj, juiz Rossidélio Lopes, o processo para a eleição direta no tribunal está “muito bem encaminhado”. Ele pretende solicitar assento na Comissão de Regimento Interno, presidida pelo desembargador Cláudio de Mello Tavares. Oriundo do quinto da advocacia, Tavares parece estar entre os simpáticos ao pleito dos juízes. O tema ainda divide a corte.

O presidente da Amaerj está confiante na aprovação da proposta, que pode representar a inclusão de cerca de 800 juízes ao processo eleitoral interno. “O Judiciário é o mais conservador dos poderes. Nós temos que continuar essa discussão. O tribunal deu uma demonstração de força”, resumiu.

NOVA ORGANIZAÇÃO — Com a primeira questão já encaminhada, o Pleno passou a votar o restante do texto. A principal alteração aprovada foi a respeito do preenchimento das vagas do Órgão Especial pertinentes ao quinto constitucional. Pelo novo texto, o Órgão Especial será composto pelos 13 desembargadores mais antigos, sendo três vagas vindas do quinto, uma para cada classe — advogados e representantes do Ministério Público — e a terceira alternadamente; e 12 eleitos, sendo duas vagas do quinto, uma reservada a cada classe de origem.

Já em relação à proposta de rodízio na presidência das Câmaras, 67 desembargadores votaram contra, 43 a favor e 23 votaram para que o tema fosse tratado pelo regimento interno. Também foram votadas questões relativas a quórum, à função de juiz diretor de fórum e de auxílio junto à administração superior do tribunal.

O Codjerj regula a organização e divisão judiciárias do estado do Rio de Janeiro, bem como a administração e o funcionamento da Justiça e seus serviços auxiliares. (informações do Consultor Jurídico)

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

NOTA DE PESAR

Com enorme tristeza, comunicamos o falecimento de Maria Auxiliadora Rio Doce. Maria trabalhava como escrevente juramentada no 18º oficio de notas. O velório será neste

NOTA DE PESAR

Com enorme tristeza, comunicamos o falecimento da nossa colega Mônica Vasconcellos Santos, que era lotada na comarca de Niterói. O velório e o sepultamento serão

SIND FOLIA

Nesta quarta, dia 7, acontecerá o tradicional SIND FOLIA, festa de carnaval dos nossos aposentados e pensionistas. O evento será realizado no auditório do Sind-Justiça,