Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

SANTOS SERÁ PALCO DE MOMENTO HISTÓRICO DA REORGANIZAÇÃO DO MOVIMENTO SINDICAL E POPULAR

A cidade de Santos, no litoral paulista, será palco de um dos momentos mais importantes para a reorganização do movimento sindical e popular do Brasil. Nos dias 3 e 4 de junho, acontecerá o Congresso Nacional da Conlutas e, logo após, nos dias 5 e 6, o da Unificação da Classe Trabalhadora, que pretende unificar em uma mesma entidade nacional a Conlutas e a Intersindical, entre outros movimentos sindicais e populares.

Esta reorganização será muito importante diante dos ataques que os trabalhadores estão sofrendo, sobretudo os servidores públicos. “A classe trabalhadora precisa unificar as suas lutas para derrotar o governo, uma vez que a CUT, que foi construída nas lutas da classe, hoje apóia o governo e trai os trabalhadores”, avalia Amarildo Silva, coordenador-geral do Sind-Justiça.

O sindicalista recorda que desde o início a Coordenação Nacional de Lutas (Conlutas) trabalha para unificar as entidades que rompem com a política governista da CUT, entretanto ele explica que a experiência com esta política acontece de forma diferente em cada um dos setores organizados dos trabalhadores.

“A Conlutas incorporou aqueles que primeiro romperam com a CUT; outros companheiros, que ainda tinham expectativas de disputar a CUT por dentro, fizeram as suas experiências e agora temos a possibilidade de construir uma central sindical e popular muito superior a que temos hoje”, explicou.

Para Marília Macedo, coordenadora de Organização Sindical do Sindicato, com a crise econômica, os ataques do governo e dos patrões tendem a aumentar e, diante disso, entidades como a CUT, a Força Sindical e a CTB irão apoiar outras medidas contra a classe trabalhadora, o que irá desmascará-las. “Acredito que a reorganização do movimento tende a crescer e esta nova central, que estamos construindo, será uma grande entidade dos trabalhadores brasileiros, classista e socialista”, afirma.

Compartilhe