Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
destaque home

Sem auxílio do Governo Federal, RJ diz que pode não ter recursos para pagar servidores

Segundo veículos de imprensa, o secretário da Fazenda do Rio de Janeiro, Luiz Cláudio Carvalho, afirmou que sem a ajuda do Governo Federal, o estado terá dificuldades para pagar os salários dos servidores no segundo semestre.

Não é possível ainda saber se a medida atingiria apenas os servidores do Executivo ou dos outros Poderes (Judiciário e Legislativo) também.

O problema é que o governo Bolsonaro quer condicionar a ajuda aos estados e municípios à aprovação de sua versão do Projeto de Lei Complementar 149/2019 (conhecido como Plano Mansueto) no Congresso Nacional, que incluiria o congelamento dos salários dos servidores de todas as esferas por 18 meses.

No último dia 13 de abril, a Câmara Federal aprovou o projeto com o texto prevendo ajuda direta aos estados e municípios, recuperando parte das perdas com impostos durante a pandemia da Covid-19. A versão aprovada não exige o congelamento dos vencimentos do funcionalismo.

Agora o projeto está no Senado, e o Governo Federal está articulando a mudança na proposta. A situação coloca o funcionalismo do Rio de Janeiro sob dupla chantagem: o governo estadual diz que não terá recursos, e o Governo Federal só quer liberar o auxílio se os servidores forem prejudicados.

O governo do Rio de Janeiro afirma que a culpa é da perda de arrecadação com a queda da atividade econômica por causa da pandemia, somada com a queda dos royalties do petróleo (decorrente da queda dos preços internacionais). O Governo Federal afirma que a ajuda aos estados e municípios pesaria muito nos cofres da União.

Por outro lado, ambos são pródigos em oferecer isenções fiscais a empresas privadas, e o Banco Central afirmou que irá destinar mais de R$ 1,3 trilhão para o sistema financeiro durante o período de crise. Portanto, o problema não é exatamente falta de recursos.

Por isso, é fundamental que o Senado escolha ajudar os estados e municípios sem exigir contrapartidas, especialmente aquelas que punam os servidores. O momento é de evitar o colapso total dos entes federativos e ajudar a salvar o máximo de vidas possíveis. Exigir algo em troca dos servidores, que estão se sacrificando para a máquina pública continuar operando, muitos até com a própria vida, como é o caso dos profissionais de saúde, sanitários, pesquisadores e da segurança pública, só para citar alguns, chega a ser nessa hora uma crueldade sem precedente.

Fonte: Sindjustiça-RJ

Compartilhe