Skip to content

Sem reajuste e sem concurso: os planos do Governo Federal para os servidores públicos

O desmonte do funcionalismo público parece ter se tornado uma das principais bandeiras do Governo Federal. Não bastassem as perdas salariais inadmissíveis e a precarização das condições de trabalho, os ataques avançam ainda mais sobre os direitos fundamentais dos servidores públicos federais.

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, defendeu recentemente que os gastos obrigatórios do governo devem ser reduzidos. Salários dos servidores, benefícios assistenciais, pensões e aposentadorias são algumas dessas despesas obrigatórias.

Para enxugar ainda mais as prerrogativas do governo e impor a lógica do Estado mínimo, ele anunciou a intenção de impedir o reajuste salarial para os servidores e cancelar a realização de concursos públicos nos próximos anos.

Mais uma vez, o governo Bolsonaro ludibria os trabalhadores. Almeida declarou que a Reforma da Previdência não conseguirá equilibrar o Orçamento, contradizendo a principal narrativa favorável à aprovação das mudanças nas regras da aposentadoria.

O que era a grande salvação para o Orçamento do país se tornou, de uma hora para outra, insuficiente. Assim foi, também, com a Reforma Trabalhista e a Lei das Terceirizações.

O secretário propõe, paralelamente à Reforma da Previdência, a revisão da política de contratação de servidores públicos, o congelamento de reajustes pelos próximos três anos e a reformulação da carreira.

Não há dúvidas de que o governo Bolsonaro pretende, em pouco tempo, desconfigurar completamente o funcionalismo público como ele é hoje. Os salários ficarão cada vez mais defasados e os planos de carreira, mais injustos.

Além disso, a consequência natural da não realização de concursos públicos é a precarização acelerada das condições de trabalho dos servidores.

 

Risco para os estados

O desmonte do funcionalismo é um projeto nacional que assume particularidades em determinadas esferas e contextos. Diante da crise econômica e fiscal crônica no estado do Rio de Janeiro, a probabilidade de propostas similares avançarem localmente é grande.

A mobilização dos servidores fluminenses precisa ser constante. Não podemos abrir mãos de direitos conquistados com muita luta ao longo dos últimos anos.

Fonte: Sindjustiça-RJ

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

NOTA DE PESAR

Comunicamos, com enorme tristeza, o falecimento da colega Priscilla Braga, ocorrido na manhã desta quinta, por complicações da Covid. Priscila estava lotada no Fórum da

VENDA DA LICENÇA TERMINA HOJE, 21

Termina hoje, 21 de maio, o prazo para venda da licença-prêmio! Por favor, compartilhem a informação e avisem aos colegas da serventia que estejam de

X