Skip to content

Temer sanciona aumento de juízes, enquanto trabalhadores amargam crise econômica

Michel Temer não surpreendeu e fez o que todos já esperavam: sancionou nesta segunda-feira (26), vergonhosamente, o reajuste para ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). O aumento, de R$ 33 mil para R$ 39 mil, aprovado no Senado no dia 7 de novembro, soa como deboche aos trabalhadores do país, que amargam uma crise econômica severa e tem seus direitos retirados e diminuídos a cada dia – com a justificativa de arrocho fiscal.

O aumento custará ao menos R$ 1,7 bilhão para a União no ano que vem, segundo uma nota técnica divulgada pela Consultoria de Orçamento do Senado Federal. Nos estados, o impacto deve ser ainda maior. Nos Tribunais de Justiça Estaduais, o vencimento dos desembargadores é, teoricamente, de 90,2% daquele dos ministros do STF, ou R$ 30,4 mil. Em algumas Unidades da Federação, o aumento é automático. Em outros, depende de autorização em lei local.

O ministro Ricardo Lewandowski, autor de um dos votos favoráveis à medida, chegou a dizer que o reajuste era “modestíssimo”. Se comparados com os reajustes ínfimos dados aos trabalhadores e trabalhadoras do país nos últimos anos, os contracheques da cúpula do Judiciário brasileiro e do alto escalão político estão longe de ser modestos.

O reajuste de ministros do STF gera um “efeito cascata” nas carreiras do funcionalismo, porque dispara um aumento automático para a magistratura e para integrantes do Ministério Público. Além disso, como o salário de ministro do Supremo funciona como teto para outras carreiras, demais categorias poderão passar a ganhar o aumento estipulado.

Para a Federação, o aumento é um desrespeito aos demais trabalhadores e trabalhadoras do país, pois a população ouve o tempo todo que as contas públicas estão inchadas e que os governos precisam fazer algo para solucionar essa questão. Trabalhadores – sem privilégios, sem penduricalhos no salário e sem reconhecimento profissional – são responsabilizados pelo déficit público e sofrem pressão de todos os lados para terem seus direitos trabalhistas retirados. “Quando é para trabalhador nunca há dinheiro. Mas quando diz respeito aos interesses da cúpula do judiciário e dos demais Poderes, aí dá-se um jeito. Assim como os membros do STF merecem o reajuste, os trabalhadores que esperam há anos sem aumento no salário deveriam ter os mesmos direitos”.

Segundo a última edição do relatório Justiça em Números, produzido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Brasil tem hoje cerca de 18 mil magistrados (juízes, desembargadores, ministros). Eles custam cada um, em média, R$ 47,7 mil por mês – incluindo salários, benefícios e auxílios.

Fim do auxílio-moradia 

Com o reajuste, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux revogará o auxílio-moradia para juízes. O fim do auxílio-moradia era negociada entre o Palácio do Planalto e o STF nos bastidores. O benefício, atualmente custa cerca de R$ 4 mil mensais, e foi garantido a todos os juízes do Brasil por meio de liminares concedidas pelo ministro do STF Luiz Fux, em 2014.

Fonte: FENAJUD

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

DIA DO ADVOGADO – 11/AGO

Não basta ter conhecimento jurídico, ser competente, pontual ou ter boa oratória… sempre haverá pedras no caminho, que fariam pessoas comuns desistirem ou repensarem as

NOTA DE PESAR

Infelizmente, faleceu hoje o nosso querido funcionário Marco Paulo Feitosa, que atuava no setor de arquivo do Sind-Justiça. Era um dos funcionários mais antigos do

X