Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Apesar da promessa, RJ atrasa pagamento de 40 mil pensionistas

Secretário diz que houve problema pontual no sistema e pagamento sai nesta segunda-feira. Mesmo com aumento de arrecadação equilíbrio fiscal está longe.

O problema da crise no estado e do atraso no pagamento dos servidores não tem fim. Quarenta mil pensionistas não receberam os salários de março na data prometida, que era na sexta-feira (12). O Rioprevidência admitiu a falha e informou que os vencimento serão depositados ao longo do dia, nesta segunda (15) mesmo após o expediente bancário. O secretário estadual da Fazenda Gustavo Barbosa disse que isso foi um problema pontual no sistema de pagamento.

De acordo com a assessoria do Rioprevidência, 12 mil vencimentos são referentes ao mês de março: nove mil vencimentos de pensão previdenciária (de um total de 207 mil) e três mil de pensão alimentícia. Os outros 28 mil vencimentos não depositados e referem ao mês de abril e a pensionistas somente da área de segurança, que vêm recebendo até o 10º dia útil de cada mês.

“O sistema de pagamento teve problemas na semana passada. Houve problema no sistema que roda a folha de pagamento do estado, que foi parar num sistema de contingência e foi trabalhado neste fim de semana, num processo paralelo para não deixar de pagar os servidores”, explicou o secretário.

Barbosa disse que as receitas do estado melhoraram no mês de abril – perto de 5% – em função do aumento da alíquota do ICMS aprovado no fim de 2016 e que começa a refletir numa aumento próximo de R$ 100 milhões.

“E também graças a alguns processos que a gente está revendo, de como atacar devedores de forma mais eficaz, identificar divergências entre valor que o contribuinte declara e o que ele paga. Muita gente está devendo. O processo de dívida ativa tem um potencial grande para melhorar, mas não resolve. Melhora. E tem também o processo administrativo, que é o que a gente está fazendo agora. Hoje começa processo forte em cima desses contribuintes com divergências”, disse o secretário de Fazenda.

Barbosa diz que mesmo com essas medidas ainda não será possível equalizar, ou seja, pagar o salário e os benefícios aos servidores.

“Estamos falando em algo próximo de R$ 160 milhões. Mas este ano, teremos o máximo de R$ 20 bilhões de débito. Mas é indicativo de que está melhorando, que tem um caminho”, destacou Barbosa.

Para ele, é fundamental o plano de regulação fiscal do governo federal, que vai permitir ao governo do estado pegar emprestado R$ 3,5 bilhões. Segundo ele, com esse valor seria possível, por exemplo, equalizar o salário dos servidores. O estado precisa de R$ 2,5 bilhões para manter a folha de pagamento em dia e pagar 13º salário atrasado e gratificações de policiais que estão em atraso. Sem esse plano, ele não enxerga a curto prazo solução para estado.

Gustavo Barbosa defende que a Alerj aprove o aumento da contribuição previdenciária de 11% para 14% dos servidores. O secretário diz que o impacto maior vai ser para o servidor ativo, já que esse aumento da contribuição só vai recair sobre o inativo e o pensionista que recebem acima de R$ 5.500.

“Isso é necessário para mitigar o que a gente tem de déficit. O déficit, só esse ano, é de R$ 12 bilhões. Essa alíquota dá mais de R$ 1,5 bilhão de redução de déficit. Mas é o conjunto de medidas previstas que vai permitir que o estado se equilibre em curto prazo. Entre essas medidas está o envio à Alerj de um teto de gastos previsto para dez anos, uma medida estrutural que é um bom indicativo para os futuros governos, e a redução das despesas e o aumento das receitas. Hoje, o estado gasta mais que arrecada”, disse o secretário, apostando nessas medidas para melhorar a situação fiscal do estado.

FONTE: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/apesar-da-promessa-estado-atrasa-pagamento-de-40-mil-pensionistas.ghtml

Compartilhe