Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

AVANÇA A GREVE DOS SERVENTUÁRIOS DA JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO

Desde o dia 18 de outubro, os servidores da justiça no Rio de Janeiro estão em greve. Eles exigem o pagamento de 24,5% de reajuste conquistado na justiça pela categoria. Ao gerenciamento estadual só resta pagar, pois não existem mais recursos para recorrer da decisão. Mesmo assim, os trabalhadores tiveram que cruzar os braços para serem ouvidos e para terem garantidos seus direitos.

Licenças sindicais de diretores do Sind-Justiça (Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário) foram canceladas, mais de 40 trabalhadores ligados ao sindicato foram removidos para regiões afastadas da capital e os meios de comunicação da categoria foram perseguidos pela turma de Sérgio Cabral e seu apadrinhado desembargador e presidente do TJ, Luiz Zveiter.

No dia 28 de outubro, mais de 700 servidores compareceram à assembléia da categoria na porta do Tribunal de Justiça do Rio e, unanimemente, decidiram continuar com a greve, que completava seus primeiros dez dias. Em seguida, os trabalhadores fecharam a Avenida Presidente Antônio Carlos — uma das principais da cidade — e seguiram em caminhada pelas ruas do Centro do Rio.

No mesmo dia, cedendo à pressão da greve dos servidores, o conselheiro José Adonis Callou, do Conselho Nacional de Justiça, concedeu liminar suspendendo as remoção de servidores pelo TJRJ. Mesmo assim, a categoria garante que continuará em greve até que todas as arbitrariedades sejam revertidas e suas reivindicações sejam atendidas.

— Eu, particularmente, não acredito nesse tal Estado democrático de direito que as pessoas ficam alardeando, não acredito que essas questões se resolvam através de meios jurídicos e que as leis são iguais para todos, mas até mesmo os juristas mais conservadores concordam que esse reajuste precisa ser pago. Porém, mais uma vez, fica claro que as decisões judiciais só são cumpridas quando são contra os trabalhadores — disse o técnico administrativo Winter Bastos, de 36 anos.

Na próxima edição de A Nova Democracia confira matéria exclusiva sobre a greve dos servidores da justiça do Rio de Janeiro. (informações do site do jornal A Nova Democracia)

Compartilhe