Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Campanha de apoio

SINTRAJUD SE SOLIDARIZA COM SERVIDORES DO TJRJ

O Sintrajud (Sindicado dos Trabalhadores do Judiciário Federal de São Paulo), assim como as entidades da CSP-Conlutas, está em campanha de solidariedade aos servidores do TJRJ, em greve há mais de uma semana. Os serventuários em greve para garantir que o governo do Estado e o TJRJ cumpram determinação judicial que determina o pagamento de 24% de reajuste, cujo prazo expirou no dia três de setembro passado.

Ao invés de oficiar ao governador Sergio Cabral Filho sobre a decisão, o presidente do TJRJ, Luiz Zveiter, resolveu partir para o confronto e o arbítrio. Buscando reprimir uma luta para que a Justiça seja legitimada e querendo quebrar o movimento, a Administração cassou 13 das 15 licenças sindicais. Os dois dirigentes que restaram, em solidariedade aos companheiros, também abriram mão das suas licenças.

Contudo, a fúria do presidente diante da determinação da categoria em prosseguir com a greve, fez com que, arbitrariamente, com uma só canetada, removesse para comarcas distantes da sede cerca de cinqüenta participantes da paralisação. Sua atitude saiu pela culatra. A greve alastrou-se ainda mais por todo o Estado.

Entenda os motivos da greve

Os 24% resultam de uma luta judicial iniciada há cerca de 20 anos quando o governo de Moreira Franco concedeu reajuste de 70,5% para o funcionalismo estadual, sem incluir os servidores do Judiciário estadual. O TJRJ, posteriormente, em duas ocasiões, concedeu reajustes administrativos de 25% e 10%, respectivamente. A categoria conquistou neste ano de 2010 o direito aos 24% reivindicados. O presidente do TJRJ, Luiz Zveiter, por sua vez, conclamou, em diversas oportunidades, que pagaria os 24% para todos os serventuários.

Lamentavelmente, voltou atrás, alegando que deflagramos uma greve desmotivada, o que não é verdade! Os serventuários continuam em greve por tempo indeterminado sem temor das arbitrariedades praticadas. Para isso, contam com a solidariedade da população e todas as entidades representativas de uma sociedade verdadeiramente democrática. (do site do Sintrajud-SP)

Compartilhe