Skip to content

“Máquina inchada”? Uma das maiores mentiras sobre o serviço público brasileiro

Você certamente já ouviu esta frase em uma roda de conversa: “Nos países desenvolvidos é bom, lá não tem essa farra de concursos públicos”. A associação entre “atraso” e “serviço público” se tornou muito comum nos últimos anos, e isso aconteceu graças a uma campanha de difamação dos servidores públicos nunca antes vista no Brasil.

Do dia para a noite, eles se tornaram os grandes “vilões” da sociedade, responsáveis pelo deficit financeiro. Eles vão “quebrar o Estado”, dizem alguns setores políticos. Isso é realmente verdade? Um olhar um pouco mais atento aos fatos consegue desmentir essa narrativa.

De acordo um estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), países que são referência em qualidade de vida da população têm, proporcionalmente, muito mais funcionários públicos que o Brasil.

Na Noruega e na Dinamarca, que ocupam o topo desse ranking, cerca de 30% da população total é composta por servidores públicos. No Brasil, essa proporção é de apenas 1,6%. Se o Brasil tem a tão mencionada “máquina inchada”, o que falar desses países nórdicos, então?

O fato é que existe um abismo entre a realidade do país e o discurso de setores políticos que querem acabar com o funcionalismo público no Brasil.

No Judiciário, por exemplo, o deficit de pessoal é crônico. Em vez de resolver o problema, o Poder Público se limita a promover uma contratação em massa de estagiários e profissionais voluntários, precarizando as condições de trabalho e a qualidade do serviço prestado à população. Ao mesmo tempo, servidores vivem com salários defasados há anos (diferentemente da iniciativa privada), sobrecarga de atividades e assédio moral crescente.

Os contratos terceirizados, baseados na desvalorização e na ausência de direitos básicos, já é uma realidade inegável em todo o serviço público brasileiro.

Onde está o “inchaço” dessa máquina que contrata com vínculos cada vez mais precários, quase não realiza concursos públicos e sucateia os serviços mais essenciais para a população, como saúde, educação e Justiça?

Respostas simplistas são muito perigosas. Diante dos fatos e dos números, é fundamental perguntar: a quem interessa tanto ódio contra os servidores públicos?

Fonte: Sindjustiça-RJ

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

NOTA DE PESAR

Comunicamos, com enorme tristeza, o falecimento da colega Priscilla Braga, ocorrido na manhã desta quinta, por complicações da Covid. Priscila estava lotada no Fórum da

VENDA DA LICENÇA TERMINA HOJE, 21

Termina hoje, 21 de maio, o prazo para venda da licença-prêmio! Por favor, compartilhem a informação e avisem aos colegas da serventia que estejam de

X