Skip to content

Os desafios para organização dos trabalhadores da Justiça são debatidos no Congresso do Sindjustiça-RJ

Atividade, que está em sua sexta edição, aconteceu entre os dias 16 e 18 de agosto em Petrópolis (RJ), com o tema “O lugar do servidor no modelo de gestão do TJRJ”. O coordenador da Secretaria-Geral, Dionizio Souza e o Coordenador de Política Sindical e Relações Internacionais, Ednaldo Martins, participaram do evento em nome da Fenajud.

Durante três dias, de 16 a 18 de agosto, trabalhadores e trabalhadoras da justiça estadual, dirigentes sindicais e especialistas debateram temas importantes no âmbito do 6º Congresso do Sindjustiça-RJ sobre a atual conjuntura política e social do país. A atividade, promovida pelo sindicato fluminense, tratou sob temas específicos e vulneráveis à categoria. Os dirigentes da Fenajud (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário nos Estados), Dionizio Souza e Ednaldo Martins, coordenador da Secretaria-Geral e coordenador de Política Sindical e Relações Internacionais, respectivamente, ministraram a palestra “Os desafios para organização dos trabalhadores do Judiciário estadual”.

Na ocasião, Dionizio falou sobre os caminhos para o fortalecimento do movimento sindical, onde abordou a a formação política e sindical, a importância da comunicação contra os retrocessos e sobre a democratização do judiciário como pontos estratégicos. Além disso, ele engrandeceu a importância deste Congresso, realizado pelo Sindjustiça-RJ, com discussões significativas que interferem diretamente na vida dos trabalhadores e trabalhadoras do estado.

“O evento realizado pelo Sindjustiça-RJ foi muito bem organizado. Tivemos uma alta representatividade, com pessoas vindas tanto do interior, quanto da capital. O sindicato, mais uma vez, cumpriu seu papel de levar formação e organização para a categoria. Parabenizo toda direção da entidade, por este momento ímpar.”

Já em sua fala, Ednaldo fez uma discussão sobre os grandes desafios que estão postos aos trabalhadores e as trabalhadoras do judiciário no Brasil e como a categoria poderá vencê-los. O coordenador fez uma análise da conjuntura política e a influência do setor econômico, como as reformas neoliberais, sobre a classe trabalhadora. Ele citou a importância de se realizar o enfrentamento contra as ações que prejudicam a categoria.

Ednaldo relembrou ainda as propostas que que tramitaram ou tramitam ainda no Congresso e nos demais Poderes, que podem afetar direta ou indiretamente os trabalhadores que atuam no Poder Judiciário. O coordenador lembrou da PEC do teto dos gastos, da reforma trabalhista, da redução salarial dos trabalhadores do serviço público, da reforma da Previdência e outras.

Debates

No sábado, os serventuários acompanharam o Painel 2 “Saúde e condições de trabalho” as palestras: “Relações de trabalho no serviço público: saúde x produtivismo”, ministrado pela professora doutora Elisete Soares Traesel, da Universidade Federal Fluminense (UFF). No mesmo dia a categoria ; e “Gestão produtivista e novas tecnologias: impactos na qualidade de vida do servidor do Judiciário”, ministrada por Mara Rejane Weber, ex-coordenadora de Imprensa e Comunicação da Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União (Fenajufe), às 10h30.

Na parte da tarde teve o Painel 3: “Organização Sindical”, com as palestras: “A comunicação como ferramenta da defesa de direitos”, de Guilherme Mikami, cientista político, jornalista e diretor da agência Abridor de Latas Comunicação Sindical.

Antes disso, ainda no primeiro dia de atividade, o professor da Universidade Federal do ABC (UFABC) e ex-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Jessé Souza, proferiu uma palestra por videoconferência, com o título “Quem somos nós? Entendendo nossa conjuntura pelo viés da subcidadania brasileira”. O especialista fez uma reflexão, cuja abordagem foi voltar à escravidão para entender o assunto da defasagem do trabalhador. “Hoje, a escravidão continua no Brasil com novas máscaras no cotidiano de 70%, 80% da população brasileira”, afirmou o autor de 27 livros, entre eles “Subcidadania brasileira”.

A abertura foi realizada pelo diretor-geral do Sindjustiça-RJ Aurélio Lorenz, que ressaltou a importância do Congresso como um espaço democrático e também destacou a importância de a categoria manter a unidade e a unicidade, que são elementos que dão bases para que o Sindjustiça-RJ seja um dos sindicatos mais fortes e representativos no estado do Rio de Janeiro. Ele reafirmou o compromisso do sindicato com todos os segmentos de serventuários do Judiciário fluminense, incluindo oficiais de Justiça, psicólogos, assistentes sociais e comissários, além de técnicos e analistas que encontram no sindicato um amparo às suas demandas.

Fonte: Fenajud

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Veja Também

Outras Notícias

NOTA DE PESAR

Comunicamos, com enorme tristeza, o falecimento da colega Priscilla Braga, ocorrido na manhã desta quinta, por complicações da Covid. Priscila estava lotada no Fórum da

VENDA DA LICENÇA TERMINA HOJE, 21

Termina hoje, 21 de maio, o prazo para venda da licença-prêmio! Por favor, compartilhem a informação e avisem aos colegas da serventia que estejam de

X