Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

Picciani adia prazo para entrega de emendas ao pacote do governo

RIO – O presidente da Alerj, Jorge Picciani, adiou até esta quinta-feira, às 18h30m, o prazo para os deputados apresentarem emendas aos dois projetos em discussão nesta quarta-feira no plenário. Segundo ele, o motivo seria o dia atípico neste primeiro dia de debates na Assembleia. Até agora, já foram apresentadas 40 emendas para o projeto que reduz o salário do governador e 56 para o dos precatórios.
Picciani afirmou que é difícil ainda elencar quais das 21 mensagens terão mais dificuldades para serem aprovadas. Mas reconheceu que as que dizem respeito à previdência social devem ser as gerarão mais discussão.
– É uma questão que precisa ser enfrentada no Rio e em todos os estados. Também na França, Inglaterra, Alemanha… Mas o Rio ultrapassou todas as situações de adversidade – disse Picciani.
Até as 17h30m, 62 dos 70 deputados estavam presentes na primeira sessão da Alerj para discutir o pacote de austeridade do governo. O início do primeiro debate se deu com a ausência de Daniele Guerreiro (PMDB) , Filipe Soares (DEM), Flavio Bolsonaro (PSC), Marcos Abrahão (PTdoB), Renato Cozzolino (PR) e Wagner Montes (PRB). Já Comte Bittencourt (PPS) está licenciado. Carlos Osório (PSDB), embora aparecesse no painel da Assembleia como ausente por falta, está num período de licença até o dia 18.
Os deputados presentes, por enquanto, ainda não se atêm a nenhuma das 21 mensagens que serão discutidos, provavelmente até novembro. Eles fazem defesas e críticas ao pacote como um todo. Os debates demonstram que o governo enfrentará dificuldades para aprovar o pacote. Candidata a vice-prefeita na chapa de Pedro Paulo, a deputada Cidinha Campos (PDT) chegou a sugerir a saída de Luiz Fernando Pezão do governo.
-Pezão, pede para sair – disse ela no plenário.
Até poucos dias Secretário do Ambiente, que deixou a pasta para o esforço do governo para aprovar o pacote, André Corrêa admitiu que será difícil aprovar todas as medidas. Mas defendeu a iniciativa do governo.
– Posso ser frontalmente contrário do ponto de vista ideológico. Mas não é possível que não possamos construir um pacto de travessia – disse ele.

FONTE: http://oglobo.globo.com/rio/picciani-adia-prazo-para-entrega-de-emendas-ao-pacote-do-governo-20475709

Compartilhe