Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

SERVIDORES DA JUSTIÇA DE SP DECIDEM FAZER GREVE

Foi um desastre político a reunião ocorrida nesta terça-feira (27/4) do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) com as lideranças dos servidores do Judiciário. A reunião, convocada pela presidência do Tribunal, durou exatos 15 minutos e contou com a presença do desembargador Antonio Carlos Malheiros, presidente da Comissão Salarial do Tribunal, que disse que o TJ não dispunha de uma proposta de reposição salarial. Acenou com a possibilidade do tema ser discutido no segundo semestre. Afirmou que o plano de cargos e carreiras poderá ser apreciado pela Assembleia Legislativa em maio.

As críticas à presidência do Tribunal de Justiça foram duras. As lideranças defenderam a paralisação a partir desta quarta-feira (28/04) dos servidores por tempo indeterminado reivindicar as reposições salariais. Os dirigentes lembraram a ultima greve, ocorrida em 2004 — a mais longa na história do Judiciário paulista — quando os servidores pararam por 91 dias.

Os efeitos para a população agora deverão ser semelhantes aos daquele ano. Na época, cerca de 12 milhões de processos ficaram parados, pelo menos 600 mil sentenças não foram assinadas e mais de 400 mil audiências deixaram de ocorrer na data prevista. A categoria tem 42 mil servidores na ativa e 9 mil. A meta é que a paralisação atinja ao menos 15 mil trabalhadores — ou 35% dos servidores em atividade.

Uma assembléia geral está marcada na Praça João Mendes, no centro da Capital, para as 13h desta quarta-feira (28/4). Dezenas de reuniões regionais estão previstas para acontecer em diferentes comarcas da capital e do interior. Os servidores decidiram pela paralisação no último dia 14.

Os servidores reclamam reposição salarial de 20,16%. Segundo eles, nos dois últimos anos não houve correção dos salários na data-base, o que aumentou ainda mais a defasagem. O índice também contempla um residual da data-base de 2008, que também não foi paga. A data-base da categoria é 1º de março. (com informações do Consultor Jurídico)

Compartilhe