Filiado à FENAJUD, DIEESE e DIAP
Sindicato dos Servidores
do Poder Judiciário do Rio de Janeiro
Notícias Sindicais

SERVIDORES FAZEM NOVO ATO NA ALERJ PARA BARRAR PL QUE PRIVATIZA SAÚDE ESTADUAL

Um novo ato nas escadarias da Assembléia Legislativa do Estado (Alerj) será realizado nesta terça-feira (6/9) pelos usuários e profissionais dos hospitais do estado — servidores públicos e concursados da Fesp. O objetivo é impedir a votação do projeto de lei 767/2011, do governador Cabral Filho, que privatiza as unidades da rede estadual de saúde, através das organizações sociais (OS). A manifestação está marcada para as 15 horas. A votação do PL está na pauta da Alerj.

O PL das OS foi criado para beneficiar grupos privados ligados ao governo Cabral. Qualquer empresa pode abrir uma organização social. Por não serem obrigadas a realizar licitações para compras de equipamentos, medicamentos e contratação de empreiteiras, por exemplo, abrem brechas para a corrupção e desvios de todo tipo. As OS podem contratar trabalhadores sem concurso e pela CLT fazendo dos servidores atuais uma categoria em extinção. São ainda uma ameaça à gratuidade e à universalidade do atendimento, que são a base da lei do Sistema Único de Saúde (SUS).

Os servidores da saúde estadual vem promovendo mobilizações contra o projeto de privatização dos hospitais públicos que chegou à Alerj no dia 16 de agosto, com pedido de tramitação em regime de urgência. No dia 19, a diretoria do Sindsprev-RJ avisou que denunciaria publicamente os que votassem favoravelmente ao projeto. Juntamente com usuários das unidades, profissionais e saúde ocuparam as galerias no dia 24 de agosto, impedindo que o PL 767, aprovado em três e rejeitada em duas das cinco comissões temáticas naquele dia, fosse à votação em plenário.

A proposta causou uma crise entre os partidos aliados do governo Cabral Filho. O PT, através de sua bancada e seu diretório estadual, se colocou contra. O governador chantageou o partido, exonerando quatro secretários, voltando atrás no mesmo dia. Cabral continua trabalhando para mudar a posição do partido. No dia 1º de setembro, os servidores fizeram um Dia de Luta, com paralisações e manifestações nos diversos hospitais. Os protestos integram, também, a campanha salarial dos servidores da saúde, cuja pauta foi entregue no dia 3 de agosto ao governo Cabral e que até hoje não teve resposta. (com informações do Sindsprev-RJ)

Compartilhe